“Operação Pente Fino” combate pirataria em mercado público do Alecrim em Natal

Dois suspeitos foram detidos por pirataria ontem no Mercado da Quatro, localizado no bairro do Alecrim, em Natal, na “Operação Pente Fino”. A ação conjunta da Polícia Civil, Polícia Militar, Ministério Público e pelo Fisco Estadual prendeu dois suspeitos pela prática do crime de pirataria, além de apreender CDs, DVDs, jogos e vários outros objetos que eram vendidos sem notas fiscais.

De acordo com a Degepol (Delegacia Geral da Polícia Civil), a “Operação Pente Fino” foi coordenada pela 3ª. Delegacia de Polícia de Natal e pela Promotoria do Consumidor para apreender mercadorias sem notas, produtos falsificados, possíveis armas e drogas que estivessem no local.

“O grande objetivo da Operação tem um caráter educativo. Queremos deixar claro que o Mercado da Quatro deve ser ocupado por comerciantes que querem exercer o seu trabalho dentro da lei”, destacou o delegado titular da 3ª. DP, Fábio Montanha.

Durante a Operação foram presos em flagrante João Batista da Silva, 46, e Francisco de Assis Pereira, 47, pelo crime de pirataria. João Batista comercializa mídias de jogos eletrônicos pirateados e Francisco de Assis vende mídias de DVDs também pirateados. Os dois suspeitos foram encaminhados à Delegacia Especializada em Falsificações e Defraudações (DEFD), que ficará responsável pelos inquéritos.

“A Promotoria do Consumidor de Natal está dando uma atenção especial aos tipos de produtos que estão sendo comercializados nas feiras e mercados públicos natalenses. Sabemos que há a venda de produtos ilícitos e nos precisamos combater isto de forma enérgica, coibir este tipo de venda. Além disto é preciso, que junto com o poder público, haja um recredenciamento das pessoas que trabalham aqui. Pretendemos fazer uma reunião com a Prefeitura de Natal para que tais medidas sejam tomadas”, revelou o promotor de justiça Leonardo Cartaxo.

Além da 3ª. DP, trabalharam na Operação mais três delegados, um da Delegacia Especializada em Furtos e Roubos (Defur ), da Delegacia Especializada em Falsificações e Defraudações (DEFD) e da Delegacia Especializada em Narcóticos (Denarc); 20 agentes da Polícia Civil; um promotor público; 13 fiscais e aproximadamente 20 homens da Polícia Militar que usaram dois cães farejadores durante toda a Operação.