NOSSOS POETAS – Jadson Lima

Jadson Lima é poeta, declamador e compositor da cidade de Bom Jesus/RN. Filho de motorista e dona de casa. Esposo da enfermeira e poetisa Sâmia Jamylle e pai do Poeta Davi Lima e da recém chegada, Lívia Maria. É autor do Livro INVERNIA, do trabalho em áudio (CD), “Invernada & Outros Cordéis” e de vários folhetos de cordéis.

 

SAUDADES AGALOPADAS

Estou com saudades dos palcos montados
De ver multidões ouvindo poesia
Ver Robson Renato dizer com alegria
Seus versos saudosos, bem metrificados
Ver a vibração, aplausos bem dados
Ao ver Edcarlos, pra nós recitar
Com Hércules França pra acompanhar
Usando su’alma e nossa emoção
E Antônio Francisco, com a Paz na mão
Dizendo ao mundo: Já pode acordar.

Estou com saudades dos versos na rua
Moésio insistindo, pra ter um sarau
Dos livros na mesa, cordéis no varal
De uma dose quente, olhando pra lua
Bebo atrapalhando, e a voz continua:
“… Não tenho dinheiro, tenho versejar…”
E Rariosvaldo querendo gritar:
Bonito, poeta da gôta serena
E minha caboca da pele morena
Em baixo esperando, pra vir me abraçar.

Estou com saudades de ver as crianças
Meu filho Davi, com classe e estilo
Ao lado do grande Thiago Camilo
De ver Bia e Clara, trazendo esperanças
João Neto e Moisés, fazendo mudanças
No jeito, nas vozes e no recitar
Segundo pulando pra lá e pra cá
E outro bocado, não cabe no verso
Mas cabe no mundo e em todo universo
E tem meu respeito, tamanho do mar.

Estou com saudades de ver a cultura
Em muitos lugares mantendo o respeito
De ver estampado de modo perfeito
O traço fiel com muita bravura
De Jefferson Campos na xilogravura
E Manoel Cavalcante num verso gritar
A dona justiça pra ela acordar
Deixar de moleza e de tanta cobiça
Mas eu não desisto viu, dona justiça
Essa é minha voz, e ninguém vai calar.

Estou com saudades Rodrigo Moisés
De entupir seu carro com nossa bagagem
E pra qualquer rumo seguirmos viagem
Pisar outros chãos com as palmas dos pés
Por que ficam os dedos, e vão-se os anéis
E a vida é tão curta pra não viajar
De ver Kydelmir, pra nós pesquisar
O amor, a saudade e a felicidade
E o valor sincero da boa amizade
Que passa sobrando, do mundo e do mar.

PRA VOCÊ

 

Acorde e logo agradeça
Pelo o dom de vossas vidas
Não lamente os seus problemas
Todo mundo tem feridas
Cresça com dignidade
Abrace a simplicidade
E siga o seu caminhar
Que DEUS, para quem tem fé
Nos deixa sempre de pé
A gente tem que sonhar.

Sorria mais meu irmão
Entenda, o mundo é assim
Se ele está bom pra você
Amanhã vai tá pra mim
Hoje o sorriso é a chave
Amanhã, terá entrave
Batalhas, guerras, vitórias
Se não passarmos por elas
Sairemos com sequelas
E não alcançamos glórias.

A simplicidade mostra
A força que a gente tem
Avance, você consegue
Porém não pise ninguém
Cresça com sabedoria
Se não tem, busque a empatia
Que assim muda o mundo inteiro
Nós temos tanta grandeza
Deixe essa chama ascesa
E seja mais verdadeiro.

O mundo é assim completo
E todos buscamos metas
Equilibre sua alma
Faça como alguns poetas
Que não possui vaidade
Que vive a simplicidade
Com o seu espírito são
Trabalhando com a mente
Escolha bem a semente
Para a sua plantação.

Ande de cabeça erguida
Eu sei das suas batalhas
Todos nós travamos guerras
E existem muitos canalhas
Que querem roubar de nós
A vida, o sossego, a voz
E assim nos deixar tristonhos
Cuidado e muita atenção
Pra não deixar a razão
Nas mãos dos ladrões de sonhos.

Cada ciclo a vida leva
De maneira genial
Obedeça a natureza
Seu percurso é natural
A terra, os ventos e os mares
São sempre espetaculares
E sua força é motriz
Aumente a sua energia
E viva nessa harmonia
Garanto, será feliz.

71 ANTÔNIOS

De fé e de poesia
Antônio Francisco é
Um anjo que principia
Todo princípio da fé
Bem humorado e feliz
Só faz o que lhe condiz
Só age fazendo o bem
Seu humor é tão sagrado
Que eu penso não ter pecado
Pois não magoa ninguém.

Antônio é desses poetas
Que vive com intensidade
Não custa atingir as metas
Colecionando amizade
Sábio, vivo, sorridente
Alma limpa, coerente
Pajé, pai e condutor
Dos poetas potiguares
Que anda em muitos lugares
Distribuindo o amor.

Poeta é um andarilho
E Antônio é causa de fato
Vive soltando seu brilho
Derramando em seu regato
Águas de versos rimados
Seus discípulos apaixonados
Exaltam sua maestria
Que ser poeta e ser gente
É um Dom dado somente
A quem sente a poesia.

Mestre, guru e profeta
Menestrel em prol do mundo
Monstro do gênio poeta
Homem de ser tão profundo
Brilhante, forte, pequeno
Gigante, certo, sereno
Ciclista, artesão e mais…
Um ser de alma infinita
Gritante, imensa e bonita
O homem é grande demais.

A bença Mestre do verso
Da vida e do ser humano
Ser maior que o universo
Vindo ao certo, de outro plano
Da vida espiritual
És sem dúvida, sem igual
Anjo mandado por DEUS
Astro divino e celeste
Referência do Nordeste
A prova? É os versos teus.

Parabéns mestre sem par
Divindade da poética
És fórmula do versejar
Com tua postura profética
Entidade do lirismo
Um monge do cordelismo
Espírito de força e luz
Poeta do mundo inteiro
Potiguar e brasileiro
Força mor, que nos conduz.