Nordeste terá chuva abaixo da média no 1° trimestre de 2021, afirma IRI

Instituto destaca que La Niña não terá condições favoráveis para levar chuvas à região

Com mais de 3 mil km de litoral, o Nordeste é formado por 9 estados com cenários naturais exuberantes. Diferentemente do restante do país, percebe-se que o clima está dividido em dois períodos: o verão, momento mais quente do ano e o inverno, período mais chuvoso. Este último manifesta-se principalmente no primeiro semestre, especialmente entre março e julho, nas principais capitais nordestinas. Todavia, a previsão de chuvas para 2021 não é animadora.

De acordo com o Instituto Internacional de Pesquisa para o Clima (IRI) da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, o Nordeste receberá no primeiro trimestre de 2021 chuva abaixo da média, assim como o Tocantins. Apesar de o La Niña favorecer a umidade na região, o fenômeno não deve contar com condições favoráveis no oceano Atlântico, próximo à costa norte do país, com isso terá um trimestre mais seco que o habitual.

“A questão é que, para chover forte no Nordeste, há necessidade de uma combinação de temperaturas dos oceanos Pacífico e Atlântico. Apesar do Pacífico intensificar a Zona de Convergência Intertropical, responsável pela chuva em parte do Nordeste, a temperatura da água do Atlântico na costa norte do Nordeste não ficará elevada o suficiente para atrair o sistema para o continente”, explica Celso Oliveira, membro da Somar Meteorologia.

Em Mossoró, segundo o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos, a probabilidade de chuva para hoje (17), é de 70%, com chuvas a qualquer hora do dia. A partir de amanhã (18) até a quarta-feira (23), a previsão é de clima parcialmente nublado, com temperatura mínima de 25° e máxima de 36°. Numa previsão estendida, estimada pelo Modelo Ensemble, de quinta-feira (24/12) até terça-feira (29/12), pode haver chuvas isoladas todos os dias.