No chão

O jornalista e publicitário Ricardo Rosado, meu professor no curso de Comunicação Social da UFRN, ensinava que o repórter deve dar uma olhadinha para baixo quando perceber que todos estão olhando para cima, pois a notícia pode ter caído no chão sem que ninguém percebesse.

Lembrei-me da lição ao ver no Jornal Oficial de Mossoró desse sábado, a Lei Complementar nº 119/2015 camuflada no sopé da montanha de demissões rotuladas de “reforma administrativa”, elas próprias muito estranhas, com evidentes compensações para diversos atingidos.

A tal lei autoriza o município a sacar valores bloqueados em contas-correntes de contribuintes, no início das execuções fiscais; ou depositados de modo prévio, como condição para se questionar, administrativa ou judicialmente, dívidas atribuídas pelo poder público em excesso ou por engano.

A medida é prenúncio de calote. Se o atingido vencer a peleja, vai rodar para ter de volta o seu dinheiro que a prefeitura gastou. E não venham com desculpas esfarrapadas, pois o rombo no Instituto Municipal de Previdência Social dos Servidores de Mossoró (Previ-Mossoró) demonstra que de boas intenções o Palácio da Resistência está cheio.

“Estauta”!
Também ali, entre e uma exoneraçãozinha e outra, o município contrata por R$ 370.928,44, sem licitação, a Escala Escritório de Cálculos Estruturais Ltda, para elaborar o projeto arquitetônico do santuário de Santa Luzia. Na mesma modalidade, libera R$ 47.238,04 para outra empresa fornecer dados geotécnicos relacionados à obra, totalizando R$ 418.166,48.

Poupança
Os depósitos na caderneta de poupança foram superados pelos saques em R$ 3,26 bilhões, de acordo com o Banco Central. Melhor que nós mesmos metamos a mão em nossas poupanças, do que o governo, com aqueles dedos enormes da era Collor.

Choque
A exoneração de Felipe Caetano de Oliveira tomou de surpresa o vereador Flávio Tácito, responsável pela indicação do professor para a Secretaria Municipal de Cultura. Não que Felipe precise, mas a desconsideração causou tamanho mal-estar que Flavinho acabou hospitalizado.

Aumento
No Rio de Janeiro, onde a coisa é Light, o preço da luz acaba de ser reajustado em 16,78%, com as bênçãos da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Imagine quanto chegar a vez de a Cosern se escanchar no lombo e sentar a espora neste paquiderme gigante.

Vozes
Os radialistas Antônio Duarte Neto e Rodrigo Rodrigues de Gois Júnior, vozes oficiais do município durante muitos anos, no rádio e nas solenidades públicas, engrossam a lista de Silveira.

Lucas, 12:27

O verso que lambuza o guardanapo
Na distante ilusão de ser poema
Chega a mim e me toma de sopapo
Exigindo uma luz pro seu dilema.

Quer deitar-se com musas sem sentido
Que não fiam e muito menos tecem,
Morrer de amor sem rimas, desmedido,
Por metáforas vis que lhe oferecem.

Não posso. Nada tenho a ver com nada,
Muito menos em plena madrugada
Quando as fadas atiçam os delírios.

Que se conforme e guarde na memória:
Nem Salomão em toda sua glória
Pode vestir palavras como lírios.