MS orienta mulheres que desejam engravidar a procurar equipe de saúde

O Ministério da Saúde orienta que até que se esclarecem as causas do aumento da incidência dos casos de microcefalia na região Nordeste, as mulheres que planejam engravidar devem conversar com a equipe de saúde de sua confiança. Nessa consulta, devem avaliar as informações e riscos de sua gravidez para tomar a sua decisão.

Não há uma recomendação do Ministério da Saúde para evitar a gravidez. De acordo com o órgão, decisão de uma gestação é individual de cada mulher e sua família.

Nesta semana, o Ministério da Saúde fez um alerta sobre o aumento considerável de casos de microcefalia nos estados de Pernambuco, Rio Grande do Norte e Paraíba. No RN, por exemplo, de agosto até a última quinta-feira, foram 30 casos diagnosticados em 15 municípios, a maioria em Natal (11), seguido de Ceará-Mirim (3), Mossoró e Parnamirim (2).

Como providência para controlar a incidência da doença e descobrir a causa do surto, o governo adotou a chamada situação de emergência em saúde pública de importância nacional. De acordo com o Ministério da Saúde, a medida tem como objetivo facilitar a investigação de novos casos, bem como compras e contratações emergenciais, caso seja preciso.

O Ministério da Saúde, em parceria com as secretarias estaduais e municipais de Saúde, continuará recebendo as ocorrências, dando apoio técnico e mantendo ativo o COES (Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública). Na última quinta-feira foi realizada uma reunião na Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) do RN para concluir a construção do protocolo local para o acompanhamento dos casos de microcefalia diagnosticados no Estado.

Atualmente, o RN segue o protocolo utilizado pelo estado de Pernambuco, que regionalmente apresenta o maior número de casos, 141 no total.

O boletim epidemiológico sobre os casos de microcefalia no país será divulgado pelo Ministério da Saúde na próxima terça-feira (17), com coletiva de imprensa.