Mossoró registra queda na taxa de detecção e mortalidade por Aids

Segundo o Ministério da Saúde, a taxa de detecção de Aids (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) caiu 5,5% em um ano, de 20,8 casos por 100 mil habitantes em 2013 para 19,7 casos por 100 mil habitantes, em 2014. A redução é a maior nos últimos 12 anos de epidemia. Os dados fazem parte do Boletim Epidemiológico de HIV e Aids de 2015, divulgado por ocasião do Dia Mundial de Luta Contra a Aids, celebrado em 1º de dezembro.

De acordo com o balanço, Mossoró segue a tendência nacional e registrou redução no número de casos de Aids detectados, bem como na quantidade de óbitos decorrentes do HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana).

O balanço mostra que neste ano foram registrados 39 casos de Aids, sendo que no ano passado o número de pessoas diagnosticadas com a doença foi 63. O número de mortes caiu de 10 para 8 em um intervalo de um ano.

O estudo mostra que da década de 1980 até este ano foram diagnosticadas 695 pessoas com o vírus HIV em Mossoró. A maioria dos soropositivos é homem. O boletim do Ministério da Saúde revelou ainda que as pessoas brancas e pardas são maioria dos casos de Aids no município.

Para o Ministério da Saúde, o incentivo ao diagnóstico e ao início precoce do tratamento, antes mesmo do surgimento dos primeiros sintomas da doença, refletiram na redução da mortalidade e a morbidade do HIV.

Desde 2003, houve uma queda de 10,9% na mortalidade dos pacientes com Aids no país. A taxa caiu de 6,4 óbitos por 100 mil habitantes em 2003 para 5,7 óbitos por 100 mil habitantes em 2014. No ano passado foram registradas 12.449 mortes.

Equipes de saúde iniciam campanha “Dezembro Vermelho” de alerta contra o HIV

A Secretaria Municipal de Saúde iniciou ontem as ações da campanha “Dezembro Vermelho”, de conscientização sobre o tratamento e a prevenção à transmissão da Aids. Pela manhã, equipes do Centro de Testagens e Aconselhamentos (CTA) distribuíram panfletos explicativos sobre o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) e camisinhas no mercado Vuco-Vuco, além de realizar teste rápido para detecção do vírus no organismo.

“Queremos conscientizar as pessoas de que, apesar de a Aids não ter cura, ela tem prevenção e tratamento. Infelizmente, muitas pessoas não procuram atendimento por preconceito ou quando buscam ajuda a doença já apresentou agravantes. Por isso a importância destas ações educativas”, disse a coordenadora do CTA, Nara Maria da Silva.

Segundo a coordenadora, a expectativa é de que sejam realizados 400 testes rápidos de HIV ao longo deste mês. As ações serão desenvolvidas em blitze nas ruas e nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs), bastando apresentar o documento RG para ter acesso ao exame. Interessados podem ainda procurar o CTA, no Centro Clínico Professor Vingt-un Rosado, para realizar o teste.

“O CTA é aberto todos os dias pela manhã e à tarde para orientar à população e não é preciso marcar horário para fazer o teste, que leva em torno de 15 minutos para sair o resultado. É muito importante que as pessoas se previnam e busquem o diagnóstico precoce”, conclui.