Mossoró receberá equipes das Forças Armadas para ações de combate ao mosquito Aedes aegypti

Mossoró deverá receber a partir de janeiro do próximo ano equipes das Forças Armadas para atuar no combate ao mosquito Aedes aegypti. A ação é fruto de parceria entre a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) e o Exército Brasileiro. Ainda não foi estabelecida a quantidade de homens disponibilizados para o município, mas eles atuarão em conjunto com os agentes de combate a endemias na identificação e prevenção do surgimento de focos do mosquito.

A Sesap vai capacitar todo o contingente militar que participará da operação nos dias 22, 23, 29 e 30 deste mês no Centro de Formação de Pessoal para os Serviços de Saúde Dr. Manuel da Costa (Cefope).

As cidades de Natal, Parnamirim, Macaíba, Ceará-Mirim, Caicó, Pau dos Ferros, Santa Cruz e Assu também receberão equipes do Exército. A Sesap informa que, juntas, as nove cidades que contarão com a atuação do Exército foram responsáveis por 80% dos casos de dengue no Estado este ano.

Membros da Sesap deverão se reunir com as Secretarias de Saúde dos municípios que receberão a Força Nacional para definir o número de militares enviadas a cada uma das cidades.

Na tarde de ontem, a equipe da Vigilância Municipal à Saúde de Mossoró se reuniu com membros da Secretaria Municipal de Saúde para discutir a atuação das Forças Armadas no combate à dengue em Mossoró.

Na última terça-feira, 8, foi elaborado o Plano Municipal de Enfrentamento ao Aedes aegypti, que reúne ações de diferentes secretarias para a prevenção e combate ao mosquito através de mobilizações nos bairros. O plano prevê ainda a capacitação de líderes comunitários e religiosos sobre as doenças transmitidas pelo mosquito e ações de educação em escolas e instituições.

Secretaria Estadual de Saúde notifica10 suspeitas de microcefalia relacionadas ao zika vírus no município

A atuação da Força Nacional no combate aos focos do Aedes aegypti é uma tentativa de diminuir os casos de dengue, zika vírus e chikungunya no RN, todos transmitidos pelo mosquito, além de prevenir novos casos de microcefalia. Segundo divulgou a Sesap, até o dia 5 de dezembro deste ano foram notificados 106 suspeitas de microcefalia relacionada ao vírus zika no RN, sendo 10 casos em Mossoró.

As notificações de microcefalia foram registradas em 35 dos 167 municípios do RN. Natal foi a cidade com mais ocorrências, um total de 34 neste ano, seguida por Mossoró e por Parnamirim, que registrou seis ocorrências de crianças com circunferência craniana menor que 32 centímetros.

A Sesap informou ainda que 101 notificações se referiam a recém-nascidos, o que representa 96,1% das ocorrências, e, quatro casos tiveram a notificação ainda intrauterina, antes do nascimento do bebê, que corresponde a 3,8% dos casos. O Rio Grande do Norte acumula sete mortes de bebês por microcefalia, sendo o Estado com o maior número de óbitos confirmados por causa da doença no país.
O Brasil registrou 1.761 suspeitas de microcefalia relacionadas ao vírus zika em 14 estados: Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Sergipe, Bahia, Alagoas, Ceará, Maranhão, Piauí, Rio de Janeiro, Tocantins, Maranhão, Goiás e Mato Grosso do Sul, além do Distrito Federal.