MORTES POR COVID-19 PASSAM DE MEIO MILHÃO NO BRASIL

 

A Covid-19 supera a marca dos 500 mil mortos no Brasil. Os dados são das secretarias de saúde estaduais coletados pelo consórcio de veículos de imprensa, conforme acaba de ser divulgado pela Folha de S.Paulo.

Segundo a Folha, houve 1.401 mortes e 20.483 novos casos da doença, elevando o total de óbitos para 500.022, e o de casos, para 17.822.659, até 14h15min de hoje.

“Com isso”, diz o jornal, “o Brasil torna-se o segundo país a ultrapassar os 500 mil mortos. Antes dele, os Estados Unidos superaram essa cifra e, no dia 15 de junho, passaram de 600 mil óbitos. A diferença é que, por lá, mais de 148 milhões de norte-americanos (45% da população) estão imunizados; por aqui, são cerca de 24 milhões de brasileiros (11% da população)”.

O governo federal reconhece os números. Há pouco, a Agência Brasil, que faz parte do seu corpo de veículos de comunicação, divulgou matéria segundo a qual o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, divulgou, via redes sociais, uma nota em que lamenta a morte de meio milhão de brasileiros por conta da covid-19. A expectativa é de que esse número seja anunciado ainda hoje (19) em balanço a ser divulgado pela pasta.

Em sua conta no Twitter, Queiroga diz prestar solidariedade a cada pai, mãe, amigos e parentes, que perderam seus entes queridos. “500 mil vidas perdidas pela pandemia que afeta o nosso Brasil e todo o mundo. Trabalho incansavelmente para vacinar todos os brasileiros no menor tempo possível e mudar esse cenário que nos assola há mais de um ano”, disse o ministro.

 

 

 

MINISTRO PORTIGUAR É CRITICADO POR POSTAGEM

 

Diferentemente de Marcelo Queiroga, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, fez uma postagem polêmica no Twitter. Disse ele: “Em breve vcs verão políticos, artistas e jornalistas ‘lamentando’ o número de 500 mil mortos. Nunca os verão comemorar os 86 milhões de doses aplicadas ou os 18 milhões de curados, porque o tom é sempre o do ‘quanto pior, melhor’. Infelizmente, eles torcem pelo vírus”.

 

 

O texto de Faria vem sendo duramente criticada nas redes sociais e na mídia tradicional, interpretada como escárnio com as famílias que perderam entes queridos na pandemia pela demora do governo federal em adquirir vacinas.