Ministério Público afasta prefeito acusado de desviar R$ 2,5 milhões em Macau

Uma operação do Ministério Público do Rio Grande do Norte, deflagrada na manhã de ontem na cidade de Macau, aponta que desvios de recursos públicos no município podem ser superiores a R$ 2,5 milhões. A informação foi repassada pela equipe do MP, durante coletiva à imprensa, que detalhou os indícios da irregularidade em contratos da prefeitura, resultando no afastamento do prefeito Kerginaldo Pinto.

O afastamento do chefe do Executivo foi autorizado pela desembargadora Judite Nunes. De acordo com o MP, a ação identificada como “Operação Maresia”, cumpriu mandados de prisão em Natal, Parelhas, Parnamirim e Macau.

Investigação
A operação apura contratos referentes à prestação do serviço de limpeza urbana e às obras públicas de construção civil. O Tribunal de Justiça do RN expediu, em processo sob a relatoria da desembargadora Judite Nunes, 11 mandados de busca e apreensão contra pessoas físicas e jurídicas, a serem cumpridos nas cidades de Macau, Parnamirim, Parelhas e Natal.

Em decorrência dos fatos objeto da investigação, o prefeito de Macau, Kerginaldo Pinto do Nascimento, foi afastado do cargo. Além do prefeito, são investigadas no caso as quatro empresas que prestam serviços à municipalidade.

Além disso, o MP já apresentou duas denúncias contra o prefeito Kerginaldo Pinto do Nascimento perante o Tribunal de Justiça potiguar, imputando-lhe a prática dos crimes de peculato, falsidade ideológica, falsidade de documento público, uso de documento falso, falso testemunho e coação de testemunha.

A “Operação Maresia” do MP, por meio da Procuradoria-Geral de Justiça, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Grupo de Atuação Regional de Defesa do Patrimônio Público e do Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça de Defesa do Patrimônio Público (Caop-PP), com apoio da Polícia Militar.