Manifestantes rejeitam proposta de redução de R$ 0,10 em aumento de tarifa

Mesmo após segunda rodada de negociações, estudantes e trabalhadores ainda não chegaram a um acordo com a Prefeitura Municipal de Mossoró (PMM) e devem seguir acampados no Palácio da Resistência. Os manifestantes rejeitaram ontem a proposta de redução de R$ 0,10 na passagem de ônibus, que passaria a custar R$ 2,90, feita pelo prefeito Francisco José Júnior. Os manifestantes sugerem tarifa máxima de R$ 2,40.

“O prefeito afirmou que seria possível atender a todas as pautas, menos diminuir o preço da passagem, pois se for estabelecida tarifa menor que R$ 2,90, a empresa que realiza o transporte público vai embora. Nós entendemos esta conduta da empresa como sendo de chantagem e cabe à Prefeitura agir com mais firmeza para estabelecimento de uma cobrança justa”, afirma a presidente do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern), Lidiane Samara.

Nas redes sociais, o prefeito anunciou que a PMM atenderia, de imediato, 80% das pautas de reivindicação dos estudantes e trabalhadores. Os pontos contemplados seriam: a implantação de sistema de bilhetagem eletrônica dentro de até 30 dias, o aumento no limite de 40 para 50 tickets mensais por estudante, bem como a adaptação nos horários das linhas para atendimento das universidades e a criação do Fórum de Mobilidade Urbana de Mossoró.

“A maior parte das pautas de reivindicação do movimento foi atendida. A Prefeitura propôs reduzir a tarifa para R$ 2,90, índice menor que o estipulado como mínimo para manter o equilíbrio do sistema de transporte público na cidade, mas, com a recusa, as negociações voltam à estaca zero. Vale ressaltar que continuamos dispostos ao diálogo”, declara a assessoria de comunicação da Prefeitura.

Desde terça-feira, 24, estudantes da Uern, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa), trabalhadores e integrantes de movimentos sociais ocupam a Prefeitura. O grupo montou barracas e tem realizado protestos diários contra o aumento de 50% na tarifa de ônibus na cidade, implantado no começo da semana.

Mais de 30 manifestantes ocupam a Prefeitura, sem acesso a água ou a banheiros do Palácio da Resistência. Os estudantes solicitam apoio através da doação de água, comida e materiais como talheres e copos descartáveis, além da presença das pessoas no acampamento.