Longevidade eleva IDH mossoroense

O Relatório de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado ontem pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), mostrou que o Brasil melhorou o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), passando do índice de 0,752 no ano de 2013 para 0,755 em 2014. O último dado referente ao IDH de Mossoró é do ano de 2010, quando o município tinha índice de 0,720, enquanto a média brasileira era de 0,699.

Na avaliação do IDH são levados em consideração a pontuação alcançada em três categorias: educação, expectativa de vida e renda da população. O relatório apontou avanços alcançados no Brasil nas duas primeiras áreas.

Com IDHM de 0,720 no ano de 2010, Mossoró é classificada na faixa de desenvolvimento humano alto. O fator que mais contribuiu para o índice elevado do município foi a longevidade, com índice de 0,811 para a expectativa de vida de 73,64 anos. No último levantamento, em 2000, a expectativa de vida do mossoroense era de 69,3 anos. Os dados são do Atlas Brasil 2013, feitos com base no Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) do ano de 2010.

Entre os anos de 1991 e 2010, o IDH mossoroense passou de 0,470 para 0,720, uma taxa de crescimento de 53,19%. No mesmo período, o índice brasileiro saiu de 0,493 para 0,727, um aumento de 47%.
Segundo levantamento realizado nos municípios brasileiros no ano de 2010, o Rio Grande do Norte contava apenas com quatro cidades com IDH considerado bom (entre 0,700 e 0,799): Parnamirim, Natal, Mossoró e Caicó, em ordem decrescente. 93 municípios potiguares, 55,69% do total, foram classificados como sendo de médio desenvolvimento humano.

Um dado preocupante é o fato de 70 municípios potiguares, o que equivale a 41,92% do Estado, terem registrado baixo IDH em 2010.

Brasil tem melhoras nos indicadores socioeconômicos

Conforme o levantamento, a esperança de vida dos brasileiros ao nascer passou de 74.2 em 2013 para 74.5 em 2014, e a média de tempo de estudo também teve aumento no mesmo período, passando de 7,4 para 7,7 anos (em 1980 a média era de apenas 2,5 anos). No entanto, a renda média da população caiu entre os anos de 2013 e 2014, parte como reflexo do desaquecimento da economia e elevação do desemprego.

A Renda Nacional Bruta (RNB) brasileira per capita do ano de 2013 foi de R$ 15.288, e no ano de 2014 ficou em R$ 15.175, uma diminuição de R$ 113 em um ano. Foi a primeira vez que houve queda na renda dos brasileiros desde o ano de 1990.

Mesmo com o aumento geral no índice, o Brasil perdeu uma posição no ranking mundial de desenvolvimento humano, sendo ultrapassado pelo Sri Lanka, e ocupa a 75º posição na lista de 188 países analisados pelo Pnud.

No ranking mundial, o Brasil está classificado como na lista das nações com IDH elevado, mas continua atrás de países latino-americanos como a Argentina (40° lugar), o Chile (42°), Uruguai (52°), Cuba (67°) e Venezuela (71°). O último país em relação ao IDH é o Niger, na África. Já as três primeiras posições são ocupadas pela Noruega, seguida pela Austrália e pela Suíça.