LAÍRE ROSADO Sobrevivendo ao Coronavírus

Sempre cumpri rigorosamente as recomendações de prevenção contra a Covid-19. Mais que isso, fui vacinado e havia recebido a segunda dose da CoronaVac quando, uma semana depois, passei a apresentar tosse persistente e obstrução nasal. Estava contaminado. A ação da vacina ainda não estava em sua plenitude e não escapei ao vírus.

Dois dias depois, Sandra, minha esposa, apresentava sinais mais acentuados. Tudo indicava que poderia estar infectada pelo coronavírus. Tosse persistente, falta de ar, dores musculares e dor de cabeça.

Realizamos o teste Swab, o rápido e o outro, com resultado mais demorado, entre 3-5 dias. Os dois foram positivos. Fazemos parte do grupo de risco, então, adotamos, urgentemente, as providências necessárias ao tratamento, inclusive consultando um especialista, o infectologista.

Como eu estava vacinado, e já apresentava alguns indícios de defesa orgânica, os sintomas desapareceram entre dois a três dias. O mesmo não aconteceu com Sandra, que precisou ser hospitalizada, para ser melhor acompanhada e atenta a qualquer agravamento do quadro clínico. Foi aí que começou o sobressalto, meu, de Sandra e da família.

E, se as comorbidades associadas levassem Sandra a um quadro mais grave e fosse preciso entubar? As UTIs, segundo informações, estavam todas com os leitos ocupados. Haveria tempo para removê-la para outro Centro Clínico? Difícil responder.

É difícil explicar o medo que uma família sente ao constatar que um os seus está em risco de vida, contaminado pelo Covid-19. É possível imaginar, mas o sentimento é estritamente pessoal. Minha reação era maior ainda, ao admitir que tivesse sido o vetor da contaminação.

Finalmente, após cuidados permanentes do médico, Dr. Fabiano e toda a equipe do Hospital Wilson Rosado, que dispensaram não somente o apoio técnico, mas, também, demonstração continuada de carinho, Sandra recebeu alta e já se encontra em residência. Foram seis dias de muita apreensão, até mesmo de pavor, mas a saúde foi recuperada.

Falei na assistência médica, mas devem-se registrar as centenas de pessoas amigas que dedicaram suas orações pela recuperação de Sandra. É verdade, as orações são importantes em momentos de aflição.

A todos, os nossos agradecimentos.