Junta interventora da Apamim tenta transferir serviços do Hospital da Mulher

Durante sessão da Câmara Municipal de Mossoró (CMM) de ontem, um representante do Governo do Estado explicou ao presidente Jório Nogueira (PSD) sobre a origem da informação do possível fechamento do Hospital da Mulher Parteira Maria Correia. Segundo a representante, a direção da Maternidade Almeida Castro teria proposto ao Governo do Estado que transferisse os serviços do Hospital da Mulher para a maternidade, que está sob intervenção judicial.

O representante informou ainda que a Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) não acatou a proposta apresentada pela direção da Casa de Saúde em reunião realizada no último dia 14.

Por sua vez, o jornalista Cézar Alves, assessor de imprensa da junta interventora da Maternidade Almeida Castro, declarou que o representante do Governo do Estado se equivocou ao repassar a informação para o presidente da CMM. Segundo ele, foi a Sesap quem solicitou um parecer técnico da junta interventora sobre a viabilidade da Maternidade Almeida Castro absorver os serviços do Hospital da Mulher. Mas a junta técnica apresentou parecer negativo.

O assessor declarou que a junta interventora tem toda a documentação comprovando que a solicitação partiu da Sesap. A equipe do jornal O Mossoroense solicitou uma cópia da documentação, mas o assessor se negou a encaminhá-la alegando que o repasse dos documentos somente poderia ser feito por meio de autorização judicial.

Na tarde de ontem, o governador Robinson Faria declarou em seu perfil do Twitter que o Hospital da Mulher não vai fechar. “O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Saúde, já emitiu uma nota explicando à população o que de fato está sendo feito. Mas diante dos boatos, reafirmo ao povo mossoroense que o Hospital da Mulher não vai fechar. Podem ficar tranquilos”, disse o governador no microblog.

Junta interventora ameaça processar secretária estadual de Comunicação

O assessoria da junta interventora da Maternidade Almeida Castro declarou que vai tomar as providências cabíveis sobre o repasse de informações sobre o fato de que a direção da maternidade havia solicitado a possibilidade de absorver os serviços do Hospital da Mulher. Segundo o assessor, teria sido a secretária de Comunicação, Juliska Azevedo, que passou a informação a Jório Nogueira. “Vamos processar quem afirmou inverdades sobre isso”, declarou a assessoria, em referência à secretária de Comunicação.

A secretária Juliska Azevedo declarou que em momento algum teve contato com ninguém para tratar sobre questões relacionadas ao Hospital da Mulher. Sobre o caso, a secretária afirma que apenas repassou a nota encaminhada pela Sesap afirmando que o Hospital da Mulher não irá fechar.

Em um segundo contato da equipe do jornal O Mossoroense com a assessoria da junta interventora da Maternidade Almeida Castro, foi informado que a assessoria jurídica da unidade foi acionada. Ele conta que os advogados iniciaram trabalho de documentação de notícias falsas sobre o fechamento do Hospital da Mulher e transferência dos serviços da unidade para o Hospital Maternidade Almeida Castro, excluindo, desta vez, a secretária estadual de Comunicação. Com isso, a junta deverá mover processo contra aqueles que publicarem ou compartilharem conteúdo tido como inverídico.