Hemocentro precisa de doação de sangue tipo O- e A+

O Hemocentro de Mossoró está com o estoque de bolsas de sangue em baixa. O órgão está necessitando, em especial, de sangue dos tipos “O – Negativo” e “A – Positivo”.

“Na semana passada recebemos um número considerável de doadores devido às ações do Dia Nacional do Doador Voluntariado, no dia 25 de outubro, mas os nossos estoques já estão em baixa”, diz a assistente social Lenita Helena. Ela destaca que é importante aumentar o número de doadores, a fim de manter os estoques de sangue com um índice satisfatório.

“Algumas vezes, cirurgias correm o risco de deixarem de ser feitas por falta de bolsa de sangue. Nunca sabemos quando vamos precisar de uma transfusão, por isso é importante manter o estoque sempre em um nível satisfatório”, diz a assistente social, ressaltando que nos meses de dezembro e janeiro a situação é mais complicada devido ao grande número de pessoas que viajam, reduzindo a quantidade de doadores regulares, ao mesmo tempo em que há considerável aumento no número de acidentes.

Para estimular a doação de sangue, o Ministério da Saúde iniciou a Campanha Nacional de Doação de Sangue de 2015. Com o slogan “Doar sangue é compartilhar vida”, a campanha objetiva estimular novos doadores e fidelizar os já existentes.

Pode ser doador qualquer pessoa entre 16 e 69 anos que tiver mais de 50 quilos e estiver em bom estado de saúde. É importante estar descansado, não pode ter ingerido bebida alcoólica nas 12 horas anteriores à doação, não pode fumar e nem estar em jejum. É imprescindível levar documento de identidade com foto.

O Ministério da Saúde destaca que os jovens com idade entre 16 e 17 anos somente poderão ser doadores com o consentimento formal do responsável legal, e pessoas de 60 a 69 anos, se já tiverem doado antes dos 60. Quem teve diagnóstico de hepatite após os 11 anos de idade, mulheres grávidas ou amamentando não podem doar sangue.

A doação é voluntária e beneficia qualquer pessoa independentemente de parentesco com o doador. O sangue doado é essencial para os atendimentos de urgência, para a execução de cirurgias eletivas de grande porte e para o tratamento de pessoas com doenças crônicas, como falciforme e talassemia, e também para o tratamento de doenças oncológicas variadas que necessitam de transfusão frequentemente.