Fenaban e bancários realizam rodada de negociação para discutir campanha salarial

Na tarde de ontem, representantes da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) se reuniram para mais uma rodada de negociação, a fim de encontrar uma saída para o impasse e o fim da greve nacional. O encontro ocorreu em São Paulo.

Durante o encontro, a Fenaban ofereceu reajuste de 7,5% e retirou o abono da proposta. Para a comissão de negociação do Contraf, a proposta ainda é muito abaixo do que os bancários querem. “É totalmente possível os bancos oferecerem mais”, declara a Confederação.

A proposta apresentada pela Fenaban será analisada pelos sindicatos regionais. De acordo com o diretor do Sindicato dos Bancários de Mossoró e Região Oeste, Anchieta Medeiros, a previsão é que os bancários de Mossoró sigam a orientação nacional e rejeitem a proposta.

Os bancários em todo o país estão em greve desde o último dia 6. A categoria pede um reajuste salarial de 16%, com piso de R$ 3.299,66, e Participação nos Lucros e Resultado (PLR) de três salários mais R$ 7.246,82. A categoria também reivindica vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá de R$ 788 cada. Os bancários também pedem pagamento para graduação e pós, além de melhorias nas condições de trabalho e segurança.

Em Mossoró, a grande maioria das agências bancárias aderiu à paralisação. Durante a greve, os clientes poderão fazer saques, transferências e outras operações por canais alternativos de atendimento, como caixas eletrônicos, internet banking, aplicativos no celular (mobile banking), telefone, além de casas lotéricas, agências dos Correios, redes de supermercados e outros estabelecimentos credenciados.