Fecomércio projeta queda superior a 4% nas vendas no RN este ano

“Infelizmente os números negativos eram esperados. O país inteiro vive este momento delicado e o Rio Grande do Norte não é uma ilha. A retração de 9,4% no mês refletem o cenário de dificuldades que vivemos, com aumento de endividamento das famílias e queda nos níveis de emprego e renda”, declara o presidente da Fecomércio em nota.

O presidente afirma ainda que, em um ano, o varejo potiguar acumulou diminuição de 4,2% nas vendas, o que significa a não circulação de R$ 798 milhões, o que impacta na queda na capacidade de geração de novos empregos sentida pelo Estado. Se comparado ao acumulado desde outubro de 2014, o comércio no RN apresentou balanço negativo de 2,7%.

“Diante disso, a nossa estimativa é que encerremos 2015 com uma retração acima dos 4% em nossas vendas, o que fará deste um dos piores anos de nossa história para o varejo potiguar”, disse Marcelo Queiroz.

O levantamento do comércio foi feito em todos os Estados brasileiros e no Distrito Federal. Em média, o Brasil apresentou crescimento de 0,6% nas vendas em outubro deste ano com relação ao mês de setembro. O IBGE ressaltou que o resultado positivo interrompeu sequência de oito meses de taxas negativas nas vendas do comércio este ano. No período de oito meses, o varejo acumulou perda de 6,3% no país.

No acumulado dos 10 primeiros meses de 2015, o comércio varejista apresentou retração de 3,6% em comparação ao mesmo período do ano passado. O balanço é o reflexo do atual momento de desaceleração da economia e tem sido reafirmado por comerciantes mossoroenses desde o final da Copa do Mundo de 2014.

“Esperávamos vender bastante na Copa do Mundo, mas acabou sendo uma decepção. Depois da Copa, mês a mês, temos registrado queda na movimentação. Agora a movimentação aumentou um pouco por causa do Natal e final de ano, mas ainda assim nem parece que é dezembro”, disse a gerente de uma loja, Marília Freire.

Queda nas vendas afeta alguns setores com mais intensidade

Ainda de acordo com a pesquisa do IBGE, na comparação com o mesmo mês de 2014, outubro de 2015 registrou queda mais forte nas vendas em alguns setores, como equipamentos de informática, que tiveram retração de 25,9% na compra pelos consumidores. Outras áreas afetadas foram a comercialização de veículos, com queda de 23,9% e de Móveis, com -21,5%.

“Destacamos ainda a venda de materiais de construção, que teve diminuição de 15,7% em comparação com outubro de 2014, além de Eletrodomésticos, com 13,8%. Note-se que são setores fortemente dependentes do crédito ao consumidor, que está cada vez mais caro e escasso”, afirma Marcelo Queiroz.

O setor de móveis acumula perdas de 13,3% nas vendas nos 10 primeiros meses deste ano e de 10,8% em relação ao período de outubro de 2014 ao mesmo mês em 2015. Das 10 categorias de produtos analisadas pelo IBGE, somente as vendas nos setores de itens farmacêuticos e de perfumaria, de materiais e equipamentos para escritório e telefonia, e, de artigos de uso pessoal e doméstico apresentaram índices positivos de vendas nos 10 primeiros meses de 2015.