Meng Hongwey, ex presidente Interpol na China

Ex-presidente da Interpol Meng Hongwei condenado a 13 anos e meio de prisão por suborno

O ex-presidente da Interpol foi condenado a 13 anos e meio de prisão, por corrupção.

De acordo com um tribunal chinês, Meng Hongwei “confessou sinceramente todos os factos criminais” e não vai recorrer da decisão. Durante o julgamento, Hongwei admitiu ter recebido 2,1 milhões de dólares (quase 1,9 milhões de euros) em subornos.

O antigo responsável pela Organização Internacional de Polícia Criminal encontrava-se detido na China, depois de, em setembro de 2018, ter desaparecido misteriosamente durante uma viagem a Pequim.

No ano passado, França concedeu asilo político à mulher, após ter alegado ter medo de, tanto ela, como os dois filhos do casal, poderem ser alvos de sequestro.

De acordo com a agência AFP, Meng Hongwei faz parte de um grupo de quadros o Partido Comunista Chinês apanhados na campanha anticorrupção do Presidente Xi Jinping.

No ano passado, a França concedeu asilo político à sua mulher, após ter alegado ter medo de, tanto ela, como os dois filhos do casal, poderem ser alvos de sequestro.

De acordo com a agência AFP, Meng Hongwei faz parte de um grupo de quadros o Partido Comunista Chinês apanhados na campanha anticorrupção do Presidente Xi Jinping.

Meng Hongwei era ministro-adjunto para a Segurança Pública da China quando foi eleito presidente da Interpol em novembro de 2016, por um período de quatro anos.