Estudantes desocupam Prefeitura após fixação da tarifa de ônibus em R$ 2,80

Após quatro dias acampados no Palácio da Resistência, estudantes e trabalhadores aceitaram proposta de redução da tarifa de ônibus de R$ 3 para R$ 2,80 e desocuparam a sede da Prefeitura Municipal de Mossoró (PMM) ontem. A diminuição de R$ 0,20 na passagem é válida a partir de hoje, conforme especificado no Jornal Oficial de Mossoró (JOM).

“Esse valor de R$ 2,80 não foi pleiteado pelo movimento. A Prefeitura apresentou esse valor como o mínimo possível e não houve acordo. Desocupamos a Prefeitura, mas vamos continuar com ações nas ruas e discussões sobre nova redução na tarifa de ônibus em Mossoró”, disse a presidente do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern), Lidiane Samara.

Os estudantes protestavam contra o aumento de 50% na tarifa do transporte público municipal, que, desde o começo desta semana passou de R$ 2 para R$ 3. Os manifestantes reivindicavam a cobrança de, no máximo, R$ 2,40 pela passagem.

Outros pontos acordados entre os manifestantes e a administração municipal foram a implantação do sistema de bilhetagem eletrônica na frota dentro de até 30 dias e o aumento do limite de 40 para 50 tíquetes mensais para os estudantes.

A adaptação dos horários de passagem dos ônibus pelas universidades e pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) para que os estudantes não tenham aulas prejudicadas também deve ser implantada a partir da próxima segunda-feira, 30.

Fórum de Mobilidade Urbana será criado na próxima semana para analisar melhorias para o setor

Lidiane Samara explica que, na próxima quinta-feira, 3, representantes dos estudantes, trabalhadores e movimentos sociais e sindicais devem comparecer à Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob), às 15h, para início dos trabalhos de formação do Fórum de Mobilidade Urbana de Mossoró. O grupo deve se reunir periodicamente para analisar melhorias para o transporte público no município.

“Nesta primeira reunião com a Semob, serão levados os nomes das pessoas indicadas pelo movimento para compor o Fórum. O debate sobre o transporte público é necessário”, afirma a presidente do DCE.

De acordo com a pauta de reivindicação do movimento de ocupação da Prefeitura, o Fórum de Mobilidade Urbana de Mossoró deve ser paritariamente entre representantes do poder público e membros do movimento estudantil, sindicatos e movimentos sociais.