Estratégia furada

Li nos blogs de Carlos Santos e Bruno Barreto que o prefeito Francisco José da Silveira Júnior ampliou os investimentos nas redes sociais e no rádio, na tentativa de diminuir seu desgaste micarleano. Não adianta. Os milhões gastos até agora não serviram de nada. Enquanto a verba publicitária do município for desperdiçada com mesquinharias, perseguições pessoais e vingancinhas infantis, enquanto o marketing oficial for norteado pela cegueira do ódio em vez do pragmatismo da razão, pode empencar dinheiro, Chico Júnior, porque o ralo da ignorância é largo e não tem fundo.

Exposição
O radialista Caby da Costa Lima, atento observador da cena urbana, tem material de sobra para a exposição fotográfica sobre a pastagem de bovinos e equinos nas ruas do Centro, que pretende realizar no Memorial da Resistência. Tem o apoio da coluna.

Carlito
Bastou escrever sobre Francisco Dantas para receber um telefonema de Carlito Meirelles, que administrou aquela cidade e pretende voltar a fazê-lo. Já tem até o lema da campanha: “Vale a pena ver de novo”.

Veja
A capa desta semana da revista Veja, com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, é um show de criatividade. Se justa ou injusta, fica o debate para tucanos e petistas. Graficamente…

Câmara
Conheci finalmente o Câmara Cultural, de Jório Nogueira e Nida Lira. Ouvi Amanda Costa, de quem tenho um vinil do tempo em que a cantora areia-branquense se chamava Raimunda Costa. E autografado! Ouvi Tony Drink, dono do Tony’s Drink, a casa de show mais badalada de Mossoró nos anos 1980. Ouvi muita gente boa num projeto que também revela talentos.

Processos
A semana será de fortes emoções na política. Rosalba tem absolvição praticamente certa. Cláudia Regina, a esperança de seus advogados e correligionários, mas não deve reverter o quadro. Se bem que, no TSE, tudo é possível.

Harmonia

Raia a flor
iluminando o dia,
enquanto no canteiro
o sol floresce perfumado
e breve.
Estrelas do mar
vencem a fúria
das ondas do céu revolto
e gaivotas nadam
varando corais carregados
que ameaçam chover.
As labaredas da água ardem
temendo que o fogo as apague
num sopro
e a terra corre mansa
no curso dos rios