Estado perde controle e RN registra a 20ª morte de detento em instituição prisional

No último sábado à noite, uma equipe do Instituto Técnico e Científico de Polícia (Itep) foi acionada para identificar um detento encontrado morto dentro do Presídio Provisório Professor Raimundo Nonato Fernandes, na Zona Norte de Natal. Magnum Guedes de Moura, 28, encontrado morto dentro de uma das celas da unidade prisional. Ele foi o 20º detento a morrer misteriosamente em uma das prisões potiguares.

De acordo com a Secretaria Estadual da Justiça e Cidadania (Sejuc), o preso foi assassinado, no entanto não há detalhes sobre o crime, uma vez que o Itep ainda não sabe qual a forma como Magnum foi assassinado.

Juiz corregedor
Em entrevista a uma emissora de televisão da capital, o juiz corregedor Henrique Baltazar disse que o Estado perdeu o controle sobre as unidades prisionais e que a qualquer momento mais um detento pode morrer nas prisões potiguares. “O Estado perdeu o controle e isso é muito preocupante”, destacou o juiz.

Para Henrique Baltazar, com o domínio das facções criminosas disputanto espaço dentro e fora dos presídios, um sujeito quando é preso, a direção da unidade prisional diz para onde será encaminhado, tem que identificar primeiro a que facção criminosa ele pertence, para não correr o risco de ser morto dentro do presídio. “Não tem cabimento que isso ocorra nas prisões do RN. Um preso é de responsabilidade do Estado e ele não deve ter regalias ou escolher onde que ficar preso. Isso é um absurdo”, enfatizou.

Mortes em prisões
A morte de Magnum Guedes de Moura foi a 18ª em pouco mais de dois meses, ou seja, somente depois de agosto deste ano, quando eclodiram os conflitos entre facções criminosas Primeiro Comando da Capital (PCC) e Sindicato do RN, que disputam espaço dentro e fora das prisões do Estado.