Dra. Nise Yamaguchi integra gabinete de crise e propõe a cloroquina como tratamento imediato nos casos de coronavírus

Em um almoço em Brasília nesta última segunda-feira (6), com a presença de alguns ministros de Estado, o presidente Jair Bolsonaro convidou a médica oncologista e imunologista Nise Yamaguchi para compor o gabinete de crise que trata as medidas de combate ao coronavírus.

A médica é adepta a uma mudança no uso de cloroquina, para que seja usada ainda no início da infecção por Covid-19, ao contrário do que diz o atual protocolo do Ministério da Saúde, que determina a utilização apenas em casos graves.

“É importante construir UTIs, aumentar os leitos hospitalares, promover o isolamento vertical e adotar medidas de prevenção, mas não podemos nos limitar a isso. O tratamento precoce com hidroxicloroquina pode ser feito em larga escala, como fizemos com o [medicamento] Tamiflu durante a epidemia de H1N1”, disse a médica.

Em um almoço em Brasília nesta última segunda-feira (6), com a presença de alguns ministros de Estado, o presidente Jair Bolsonaro convidou a médica oncologista e imunologista Nise Yamaguchi para compor o gabinete de crise que trata as medidas de combate ao coronavírus.

A médica é adepta a uma mudança no uso de cloroquina, para que seja usada ainda no início da infecção por Covid-19, ao contrário do que diz o atual protocolo do Ministério da Saúde, que determina a utilização apenas em casos graves.

“É importante construir UTIs, aumentar os leitos hospitalares, promover o isolamento vertical e adotar medidas de prevenção, mas não podemos nos limitar a isso. O tratamento precoce com hidroxicloroquina pode ser feito em larga escala, como fizemos com o [medicamento] Tamiflu durante a epidemia de H1N1”, disse a médica.

Segundo Nise, a hidroxicloroquina, em associação com o antibiótico azitromicina, atua fortalecendo as células humanas e diminuindo a capacidade de replicação do vírus. Ela afirma que se aplicado até o 4º dia de aparecimento dos sintomas, esse tratamento diminui exponencialmente o risco de internação e a necessidade de uso do respirador.

Segundo o site O Antagonista, a oncologista e imunologista pretende reunir toda a produção científica sobre a cloroquina no Brasil e no mundo e liderar um processo de flexibilização da lei, de modo a facilitar sua prescrição a pacientes.

Fonte: Conexão Política

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *