Davi Alcolumbre usou aviões da FAB para apoiar irmão em Macapá

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), usou aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) para apoiar a campanha eleitoral de seu irmão Josiel, candidato do DEM à prefeitura de Macapá. Apesar do esforço do senador, Josiel perdeu a eleição no domingo passado, para Dr. Furlan (Cidadania). O Estadão apurou que entre os dias 9 de outubro e 18 de dezembro, Alcolumbre percorreu 14 vezes, em aviões da Aeronáutica, os 1.792 quilômetros que separam Brasília de Macapá.

Registros dos voos oficiais indicam que as viagens eram sempre feitas na companhia de seguranças do Senado. Em setembro, período da pré-campanha, Alcolumbre não realizou nenhuma viagem ao Amapá, seu Estado natal, utilizando aviões da FAB. Josiel havia largado bem nas pesquisas, mas viu a candidatura ruir após a explosão de transformadores que deixaram o Amapá às escuras por mais de duas semanas, em novembro.

Diante de “sinais de convulsão social” e risco para a segurança dos eleitores, por causa do apagão, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, decidiu adiar as eleições em Macapá. Com o novo calendário, o primeiro turno ficou marcado para o dia 6 deste mês. A segunda rodada foi realizada domingo passado.

Com o prolongamento do apagão e a queda de Josiel nas pesquisas, as viagens de Alcolumbre com aviões da FAB se tornaram mais frequentes. Os deslocamentos ocorreram principalmente em meados de novembro, quando seu irmão intensificou a campanha de rua, apesar da pandemia do novo coronavírus.

As regras da Aeronáutica não permitem que aviões da FAB sejam usados para fins particulares. No dia 6 de março, o presidente Jair Bolsonaro publicou um decreto que alterou normas de transporte de autoridades nessas aeronaves. Agora são exigidas justificativas e comprovações que atestem a necessidade do uso dos aviões, autorizado em três situações: emergência médica, motivo de segurança e viagem a serviço.

A medida foi tomada por Bolsonaro após pressão de seus apoiadores. Em janeiro, o presidente demitiu José Vicente Santini do cargo de secretário executivo da Casa Civil por utilizar um avião da FAB em viagem ao exterior. Santini ocupava interinamente a chefia da Casa Civil. Após a publicação do decreto, apoiadores de Bolsonaro comemoraram nas redes sociais o fim da “farra” no uso de aeronaves militares por parte de autoridades.

Roteiro

A primeira viagem de Alcolumbre, no período eleitoral, ocorreu em 9 de outubro, quando ele partiu de Brasília, às 11h14, em direção a Macapá. O retorno, também em avião da FAB, ocorreu quase uma semana depois, no dia 15. Vinte assentos foram reservados, na ida e na volta, para a equipe do presidente do Senado.

Naquela semana, Alcolumbre cuidou pessoalmente da campanha do irmão. Apelou a políticos aliados para que reforçassem o apoio a Josiel, posou para fotos e participou de caminhadas nas ruas, pedindo votos. No dia 14, por exemplo, o candidato a vereador da coligação de Josiel, Zezé Nunes, postou uma foto ao lado do senador e de Silvana, vice na chapa, durante ato nas ruas da cidade.

“Zezé 43123. Nosso grande Senador e Presidente do Senado Davi Alcolumbre, junto com nossa futura Vice-prefeita Silvana”, escreveu Nunes, em legenda no Instagram. A foto foi compartilhada na rede social do então candidato a prefeito.

No dia seguinte, 15 de outubro, Alcolumbre também fez selfies ao lado de outros candidatos a vereador pela coligação de seu irmão. Um deles, Cláudio (DEM), usou a foto para pedir votos no Instagram.

“Aqui é parceria forte por Macapá! Cláudio + Davi + Josiel!”, disse o concorrente, destacando que a imagem havia sido feita durante reunião para discutir um “projeto coletivo pela cidade que queremos ser nos próximos quatro anos”.

O Estadão procurou Alcolumbre, mas não obteve resposta até a conclusão desta edição.

Em Macapá, senador focou na articulação

Nos períodos de estadia em Macapá, em viagens com aviões da FAB, Alcolumbre preferiu cuidar da articulação política e evitar exposição excessiva na mídia. Ajudava, ainda, no corpo a corpo com os eleitores. Em 1.º de novembro, no entanto, o próprio Josiel postou uma foto ao lado do irmão, que estava na cidade, para pedir votos no Facebook.

“Ter um amapaense ocupando a cadeira de Presidente do Senado trouxe recursos como nunca antes para nosso Estado. Vamos manter o diálogo com Brasília e seguir aproveitando todas as oportunidades, trazendo obras e gerando mais empregos em Macapá”, escreveu Josiel.

Às 18h15 daquele mesmo dia, Alcolumbre embarcou com sua equipe, também em avião da FAB, em mais um retorno para Brasília durante a campanha. O senador e seus seguranças estavam em Macapá desde 23 de outubro e só voltaram naquele 1.º de novembro. Os dois voos da FAB foram reservados para embarque e desembarque de 14 pessoas.

Alcolumbre regressou a Macapá seis dias depois, em 7 de novembro. O presidente do Senado e sua equipe embarcaram de novo em avião da FAB, com destino à capital. Ao chegar, Alcolumbre concedeu entrevistas a veículos locais, demonstrando apoio ao irmão.

“O maior atingido desse apagão chama-se Josiel Alcolumbre, que ia ganhar a eleição no primeiro turno, que estava caminhando para ganhar em primeiro turno a eleição”, afirmou ele à rádio Diário FM, em 12 de novembro. O empenho de Alcolumbre na campanha o levou a pedir que o presidente Jair Bolsonaro gravasse um vídeo em apoio ao irmão. Não adiantou e Josiel saiu derrotado da disputa.

R7 com Estadão Conteúdo