Covid entre indígenas: ‘Só uma família na minha aldeia não foi infectada com coronavírus’

Em meados de maio, o tio de Ninawa Inu Huni Kui, líder dos Huni Kuin, comunidade indígena espalhada pelo Estado do Acre, começou a sentir sintomas de gripe.

Quando a tosse e a febre evoluíram para “dor no pulmão” e falta de ar, veio a desconfiança de que ele poderia ter sido infectado com a doença nova que circulava “na cidade”.

Maná duá Bakê foi o primeiro caso de covid-19 da aldeia, que, em algumas semanas, viu praticamente todos os seus 200 habitantes, distribuídos em 40 famílias, caírem doentes.

“Só uma família não foi infectada”, conta Ninawa.

A aldeia Maê Txanayá fica no extremo noroeste do país, próximo à fronteira com o Peru, no território Hênê Bariá Namakiá. Quatro dias antes de apresentar sintomas, Maná tivera contato com uma pessoa vinda de Feijó, o município mais próximo, que está a seis horas de barco pelo rio Envira.

BBC News