Confiança do setor industrial do RN é o maior desde 2012

O indicador apresenta pequena variação em relação ao último levantamento

 

 

Apesar dos efeitos negativos causados pela pandemia do novo coronavírus, o mês de outubro foi de boas expectativas para o setor industrial no Rio Grande do Norte, segundo avaliação do Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), que aponta estabilidade no último mês, ao ficar em 57,4 pontos, diferença de apenas 0,1 ponto em relação ao resultado do mês imediatamente anterior.

Mesmo com a pequena variação, o indicador indica o melhor resultado para o mês de outubro desde 2012, quando o ICEI atingiu 61,2 pontos. A gerente da Unidade de Economia e Pesquisa da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte (FIERN), Sandra Lúcia Barbosa, acredita que esse desempenho se deve ao processo de retomada da economia, com a reabertura dos negócios, mesmo durante a pandemia.

“Com as paralizações, a economia praticamente parou. O comércio ficou sem matéria prima e, com a reabertura da economia, toda essa demanda que estava reprimida, que estava contida e não podia ser satisfeita pôde ser realizada. Isso repercutiu na indústria, O comércio começou a fazer muita demanda para suprir essa falta, e isso levou ao aumento da produção na indústria”, explica Sandra.

A gerente ressalta, ainda, que a confiança não leva em conta somente as expectativas otimistas para os próximos seis meses. Segundo ela, a análise também se baseia nas perspectivas atuais dos negócios, comparativamente aos últimos seis meses.

De acordo com o levantamento, houve redução do ponto avaliado entre os empresários da Construção. No entanto, os que atuam nas indústrias Extrativas e de Transformação se mostram mais confiantes do que estiveram no mês de setembro. Quando a análise é feita por portes, no entanto, nota-se que as médias e grandes indústrias permanecem confiantes, enquanto as pequenas ainda seguem inseguras.

“Empresas de grande porte são mais independentes de recursos do sistema financeiro. Ou seja, elas conseguem se autofinanciar, de ir ao mercado, ainda que seja para pagar mais caro nos insumos e matérias primas. Isso, por outro lado, não ocorre com as empresas de menor porte. Elas dependem desses recursos que, no momento, estão difíceis de conseguir. Essas companhias menores também estão endividadas”, pontua Sandra Lúcia Barbosa.

 

Recorte nacional

Assim como o Índice de Confiança do Empresário Industrial do Rio Grande do Norte, o balanço divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) no dia 10 de outubro, que levou em conta dados nacionais, também apresentou estabilidade no indicador. No Brasil, a pontuação passou de 61,6 para 61,8 pontos, na passagem de setembro para outubro.

Mesmo com o resultado, o ICEI do conjunto do país encontra-se 8,6 pontos acima de sua média histórica, 2,5 pontos sobre o índice de outubro de 2019, que foi de 59,3 pontos. Em relação ao Nordeste, o ICEI chegou a 59,1 pontos. Ou seja, 2,1 pontos abaixo do indicador de setembro, quando a pontuação foi de 61,2; e 0,8 pontos abaixo do indicador de outubro de 2019, que foi de 59,9 pontos.

 

Com informações do Brasil 61.