Comissão de Constituição e Justiça aprova ajuste fiscal com emendas

A Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa aprovou o projeto de ajuste fiscal enviado pelo governador Robinson Faria (PSD). O texto original sofreu duas alterações por meio de emendas supressivas e duas aditivas encartadas pela relatora.

As alterações foram sugeridas pela deputada estadual Márcia Maia (PSB). A iniciativa foi aprovada por unanimidade, em seu aspecto Constitucional.

O principal ponto do ajuste fiscal encaminhado pelo Governo do Estado é o projeto que altera o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). “Nosso foco foi pela constitucionalidade da matéria. Apresentamos três emendas e o mérito será discutido quando o projeto chegar ao plenário da Assembleia Legislativa, depois de passar pela Comissão de Finanças e Fiscalização”, disse a presidente da CCJ, Márcia Maia, logo após o encerramento da reunião.

Foi suprimido do texto original o inciso XVIII do Artigo 4º que passava a responsabilidade do pagamento do ICMS relativo a compras pela internet para o consumidor, caso o imposto não fosse repassado pelo vendedor. “Entendemos que havia inconstitucionalidade, pois só a Constituição Federal e o Código Tributário Nacional podem legislar sobre o sujeito passivo”, disse Márcia. O deputado Carlos Augusto (PTdoB) votou pela aprovação da matéria, mas fez restrição a essa supressão.

A matéria foi encaminhada para a Comissão de Finanças e Fiscalização para ser analisada, antes de ser encaminhada ao plenário para discussão e votação final.

Participaram da reunião os deputados Márcia Maia (PSB), Galeno Torquato (PSD), Hermano Morais (PMDB), Albert Dickson (Pros), Kelps Lima (SDD), Dison Lisboa (PSD), Carlos Augusto, Tomba Farias (PSB), Ricardo Motta (Pros) e José Dias (PSD).

Ricardo Motta espera votar ajustes na próxima semana

A Comissão de Finanças e Fiscalização recebeu ontem as duas matérias do pacote fiscal encaminhado pelo Executivo e que já foram votadas na Comissão de Constituição, Justiça e Redação. A distribuição para os relatores vai ser feita administrativamente, conforme anunciou o presidente da Comissão, deputado Ricardo Motta (Pros).

“Estamos iniciando uma discussão antecipada da nossa pauta. Vamos distribuir as matérias para os relatores a serem escolhidos para que na próxima quarta-feira elas já possam ser relatadas no pleno desta Comissão”, disse Ricardo Motta.

O deputado José Dias (PSD) disse que precisava se debruçar sobre a emenda que foi apresentada na CCJ, com relação à temporalidade. “Pode ocorrer que ao invés de contribuir para a arrecadação do Estado, haja redução”, disse ele.

Já o deputado Tomba Farias (PSB) sugeriu que seja dado um prazo para as doações na alíquota atual para depois reajustar essa taxa. George Soares falou que todas as crises são cíclicas e no seu entender os projetos não foram discutidos antes de sua elaboração e encaminhamento. “A gente tem que pensar no Estado. O pacote de medidas deveria ter vindo com outro reduzindo os custos do Estado”, disse.

O deputado Dison Lisboa (PSD) manifestou a sua preocupação com relação ao prazo, no tocante ao ICMS, “pois a arrecadação vai cair mais ainda porque só entrará em vigor 90 dias após a publicação da Lei, quando aprovada pela Assembleia”.