Comentário: “Ney Lopes Jr transforma em bandeira de campanha 55 leis aprovadas”

Comentários:
Pela minha vivência de 78 anos de idade e de ter  acompanhado  a trajetória de muitos políticos no Brasil, encontro  bastante  dificuldade de aceitar a lealdade e capacidade de alguém que se considere vocacionado para a política por ter nascido em berço político, ou seja, já tenha na família elementos que exercem ou exerceram mandatos políticos.
Ninguém nasce político. Política não é profissão. Exercício político é apenas um cargo transitório de prestação de serviço ao país.
Aliás, no dia em que o exercício político deixar de ser remunerado e o político passar a receber  apenas  uma ajuda de custo para cobrir as despesas parlamentares, não tenho dúvida de que muitos aventureiros e cabideiros de empregos públicos desistirão do Parlamento e sobrarão apenas aqueles cidadãos e cidadãs interessados em empregar os seus conhecimentos de formação acadêmica e profissional em prol do país.
Política deveria ser um exercício de mandato com prazo certo para acabar e não suscetível de reeleição. A reeleição política escudada no imoral instituto do voto obrigatório, que deveria ser revogado, tem contribuído negativamente para o atual quadro político nacional, constituído de indivíduos de ilibada conduta, incompetentes e ávidos pelo cabide de emprego público.
A reeleição política é a porta de entrada  para a formação dos chamados políticos profissionais. Ou seja, políticos que se consideram indispensáveis à vida parlamentar e não querem mais largar a boquinha rica da “vida espinhosa”, que remunera muito bem e dispõe de uma série de benesses públicas, pagas por todos nós contribuintes.
Certa feita o jornal  espanhol El País escreveu que ser político no Brasil é um grande negócio, é como acertar na loteria, dadas as vantagens auferidas pelos políticos. A maioria entra para a política e não quer mais sair, esquecendo as suas próprias  profissões de origem.
Um jovem com todo um histórico acadêmico  de dar inveja, com formação em Direito, Jornalismo, Mestre em Direito Econômico etc. presume-se ser portador de grande competência.
Mas essa competência curricular deveria ser consolidada na atividade privada profissional, como é a aspiração de todos os jovens ou detentores de tantos títulos acadêmicos. Trocar toda essa bagagem  acadêmica para se tornar um vereador em detrimento de suas atividades profissionais mais lucrativas não me parece muito transparente. Ou a sua competência é apenas acadêmica? Ou como escreveu o jornal espanhol El País: ser político no Brasil é um grande negócio. Vale a pena largar tudo para ser político. 

Ney Lopes – jornalista, ex-deputado federal, professor de direito constitucional da UFRN e advogado