Portinari, Retirantes

Clauder Arcanjo – PÍLULAS PARA O SILÊNCIO (PARTE CLVII)

 

 

As ossadas dos nordestinos sacolejam nas memórias obesas da nação. Por onde andam tantas almas? Vagam aflitas? Insepultas, sem o consolo de uma cova rasa? Por que não se vingam de nós, sepulcros caiados?

Os ossos dos nordestinos, colheitas das secas de outrora, furam a consciência dos industrieiros das estiagens, embusteiros da caridade alheia.

Há de haver um Deus!, consolam-se, ávidos de vingança.

 

&&&

 

Em todo o sertão de Licânia, há um ázimo sabor de morte na boca seca dos retirantes.

— E se chover amanhã?

Pouco importa, a chuva não lava a mortalha da omissão.

 

&&&

 

— Alto lá! — Anunciou-lhes o dono da terra.

— Coroné, tamu com fomi. Minha famia tá tombém. E… — grunhiu o mais velho, os olhos rachados, as mãos postas, esturricadas.

— Não quero saber! Avia!, sumam daqui, seus retirantes. Avia, avia! Se não… — ameaçou-os, de espingarda em punho.

— Coroné, tamu com muita fomi. Nóis apenas quer a sobra do seu de comer. Minha famia…

— Não quero saber!

— Se vosmecê quiser atirar, faça o favor: mate nós de vez, antes que a fomi…— devolveu a mulher, enquanto tocavam a todos para a sombra do alpendre, onde se arrancharam.

 

&&&

 

Sabia (e se importava) tanto da (com) vida alheia que se esqueceu de viver a sua.

 

&&&

 

Na época do tempo bom e farto olvidamos a cautela necessária para pouparmos para as estações de estio.

 

&&&

 

A pintura “Retirantes”, de Portinari, dói nos olhos da boca do estômago, atarantando o juízo dos cidadãos, antes tão zelosos pela herança da fausta nação.

Por onde andam tantas almas? Vagam aflitas? Insepultas, sem o consolo de uma cova rasa? Por que não se vingam de nós, sepulcros caiados?

Clauder16

*Clauder Arcanjo é escritor e editor, membro da Academia Norte-rio-grandense de Letras.