Home / Universo / Clauder Arcanjo / Clauder Arcanjo: PÍLULAS PARA O SILÊNCIO (PARTE CLIV)

Clauder Arcanjo: PÍLULAS PARA O SILÊNCIO (PARTE CLIV)

A paz da tarde morre no colo das árvores, e eu escuto o lamento dos homens distantes. São espectros que me lembram da fome longínqua, da inquietude dos aflitos, do abandono dos asilos e da desesperança no olhar dos jovens.

 

&&&

 

Navego na noite e não encontro, neste mar de escolhos, a luz amiga de um farol sequer. Tão somente o ranger dos dentes dos medrosos no porão da minha nave-vida, pobres seres a temerem a manhã seguinte por saberem-na banhada pelo batismo do sol. Nem todos nasceram para o halo da esperança.

 

&&&

 

— Alteiem as velas! Aproveitem o vento forte das areias deste deserto! — Clamaram alguns.

— Senhor, ninguém navega aqui. Estamos no Saara — ousei alertar, junto à tenda de comando.

— Cala-te! Caso não, hei de te prender pelo crime de incréu! — Gritou-me o mais animado.

 

&&&

 

Há aqueles em que as luzes do novo inquietam-lhe tanto a alma temerosa, que eles aplaudem e glorificam o mau-cheiro da velha lama.

 

&&&

 

Dai-me, Senhor, a sinceridade dos francos e dos mal-educados, em vez da etiqueta sonsa dos príncipes dos protocolos.

 

&&&

 

Labore na medida exata, pense menos, divulgue o plantado (e nem sequer colhido)… A conquista do “sucesso” ancora-se, antes de tudo, no primado oco da vaidade.

 

&&&

 

A paz da tarde estremece no leito trêmulo das minhas mãos, e eu imputo tanto lamento à insatisfação dos homens sonhadores.

 

Clauder

*Clauder Arcanjo é escritor e editor, membro da Academia Norte-rio-grandense de Letras.