Home / Universo / Clauder Arcanjo / Clauder APílulas para o Silêncio (Parte CLV)
(A noite estrelada, de Vincent Van Gogh)
(A noite estrelada, de Vincent Van Gogh)

Clauder APílulas para o Silêncio (Parte CLV)

A lógica da noite é avessa aos paradigmas do dia. Enquanto as estrelas, na ordem direta do brilho, fazem os enamorados pulsarem, os matutinos amaldiçoam a claridade da lua.

 

&&&

 

Nota-se a lealdade de um homem, quando o outro se sente amparado até no momento em que todo mundo sumariamente já o condenou.

 

&&&

 

— Alto lá! — Ordenou-lhe o guarda.

— Meu senhor, não posso parar, nem muito menos aqui ficar. Estou sofrendo de cóli… — tentou argumentar o passante, enquanto se contorcia todo.

— Calado! Caso não, só me restará… Que catinga é esta? Pelo amor de Deus!… — Gritou o representante da lei, enquanto tapava as narinas largas.

— Eu queria seguir, agora aguente as consequências. Estou com cólicas horríveis, autoridade! A feijoada da empresa me fez mal! — Esbravejou, entre homéricas flatulências, o fétido homem.

 

&&&

 

Entre centenas de vizinhos, apenas um lhe dava atenção. Toda manhã, logo cedo, ele cuidava de lhe oferecer o pão fresco de um novo bom-dia.

 

&&&

 

Na cidade mais próxima, ele cuidaria de armar o seu circo: uma lona colorida, suportada por um mastro alto e forte. No picadeiro, todas as noites, o palhaço cuidaria de passar à criançada as lições do bom convívio, enquanto os pais gargalhariam por considerarem tais ensinamentos a melhor comédia já vista.

Semana seguinte, desfeito o circo, pé na estrada. O palhaço, professor sem escola, nunca desistia da suprema lida.

 

&&&

 

A noite lá fora abafa a agonia dos velhos, abandonados em meio aos presentes-ausentes.

Clauder
*Clauder Arcanjo é escritor e editor, membro da Academia Norte-rio-grandense de Letras.