Caravana Agroecológica Feminista circulará por oito municípios potiguares

Passando por comunidades indígena, quilombola e rurais do Rio Grande do Norte, a Caravana Agroecológica Feminista será realizada nesta sexta-feira, 16, e circulará por oito municípios do Rio Grande do Norte. O evento contará com a participação direta de aproximadamente 300 mulheres.

A caravana objetiva dar visibilidade ao protagonismo das mulheres que constroem alternativas para a autonomia de suas vidas e de seus territórios. A Caravana Agroeocológica Feminista é dividida por rotas em Patu, Caraúbas, Upanema, Tibau e Grossos, Apodi, Macaíba e São Gonçalo mostrando o que o feminismo tem a ver com a mudança de vida das mulheres em seus locais.

A militante Conceição Dantas, da Marcha Mundial das Mulheres, explica a importância da Caravana Agroecológica Feminista: “Será um dia intenso de muita troca de experiência e de afirmar que, quando juntas, as mulheres se fortalecem e são capazes de reinventar suas realidades e mudar o lugar onde vivem”.

Serão visitas a Associação Quilombola do Jatobá, em Patu; o projeto Feminismo e a Convivência com o Semiárido, em Upanema; Em Grossos e Tibau as mulheres acompanharão o trabalho das marisqueiras de Grossos e a organização das pescadoras, agricultoras e artesãs tibauenses.

Em Apodi, a caravana passará por Caiçara, Palmares e Mansidão/Melancias para mostrar as experiências de quintais produtivos, beneficiamento de frutas e a resistência ao projeto do perímetro irrigado do Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Dnocs) na Chapada. Por fim, em Macaíba e São Gonçalo a caravana visitará a comunidade indígena de Lagoa do Tapará.

A Caravana Agroecológica Feminista faz parte da programação da Virada Feminista Agroecológica e Cultural, atividade de encerramento da 4ª Ação Internacional da Marcha Mundial das Mulheres que estará acontecendo no Ceará e no RN entre 15 e 17 deste mês.