Aulas à distância em tempos de quarentena trazem desafios para professores e alunos

pandemia do novo coronavírus alterou drasticamente a rotina das escolas de todo o país e professores tentam se adaptar ao novo formato das aulas.

No Ceará, por decreto do governador Camilo Santana (PT), as instituições de ensino — públicas e privadas — estão com suas aulas suspensa desde 19 de março. Desde então, as atividades escolares continuam acontecendo, mas no ambiente virtual, o que tem gerado uma dinâmica de trabalho com que a maioria dos professores não estava familiarizada, ocasionando uma série de desafios para os docentes.

:: Desafios do EaD: como as escolas estaduais estão funcionando durante quarentena ::

Dificuldade em lidar com as novas tecnologias, computadores e equipamentos de filmagem obsoletos ou a ausência deles, dificuldade de acesso à internet por parte dos alunos e a falta do contato direto com os discentes são apontados como maiores desafios no trabalho dos professores no período de afastamento social.

Domínio técnico

Lia Moita, professora de História da Escola Estadual Heráclito de Castro e Silva, conta que, para os professores que não têm prática em gravar suas aulas, a nova forma de lecionar tem gerado uma insegurança na transmissão do conteúdo, em ser atrativo para os estudantes e se eles irão apreender o conhecimento.

Ela ainda relata que, no começo do isolamento social, havia uma forte cobrança para que se iniciasse as atividades online rapidamente. “Nesse período de pandemia, eu tive que me familiarizar com várias tecnologias que até então eu não tinha conhecimento, e de forma muito rápida. Em questão de três dias, eu estava sendo cobrada para gravar as videoaulas, estimular os alunos e para aplicar atividades”, detalha.

Carga horária

Uma outra questão apresentada é que o horário de trabalho dos professores está sendo diluído nas outras horas do dia e nos fins de semana, ou seja, a separação do momento em que se está trabalhando e o momento em que se tem para suas necessidades pessoais não existe mais, o que pode ocasionar uma jornada de trabalho ainda maior do que no período letivo normal.

:: Guias orientam sobre medidas a serem adotadas por escolas durante quarentena ::

O professor de Matemática Valdir Teixeira, da Escola Estadual de Liceu do Conjunto Ceará, relata que tem sido difícil mensurar as horas de exercício do magistério. “Qualquer momento da noite, o aluno entra em contato tirando dúvidas. A gente responde, tenta ajudá-los da melhor maneira possível, mas mensurar a quantidade de horas que estamos trabalhando é quase impossível, porque estamos numa situação que é muito difícil de se organizar”.

Já o professor de História do ensino médio Vicente Olsen acredita que, apesar do aumento da jornada de trabalho variar de professor para professor, houve um incremento nas horas dedicadas à preparação das aulas. “As aulas ao vivo ou as aulas gravadas, você acaba tendo que planejar mais, tendo que preparar o slide, trazer material, trazer vídeos, preparar o ambiente que você vai produzir, se preocupar com a iluminação e com o áudio”.

Acompanhamento do estudante

Samanta Forte, coordenadora escolar da Escola Estadual João Paulo II, acredita que o maior desafio enfrentado pelos educadores neste momento é o acompanhamento dos estudantes, já que é necessária uma estrutura de acesso à internet com computador ou celular, o que muitos alunos da escola pública não dispõem.

“As atividades requerem uma certa estrutura que, para muitas pessoas, pode ser uma coisa básica, que é ter internet, ter um celular; mas, para muitos alunos da rede pública, essa estrutura não está presente em suas casas. A pandemia está colocando outras dificuldades financeiras para além das que já existiam. Tem aluno que tinham internet no começo, mas agora já não tem mais, porque a família não conseguiu pagar”, lamenta.

Saúde mental

Os professores apontam, ainda, o desafio da saúde mental nesse período, “Houve um incremento na carga emocional, estamos abalados, com estresse, com ansiedade, que já é natural da nossa profissão, isso nós estamos vivendo muito, a situação está muito difícil”, relata Valdir Texeira.

:: Ensino à distância: os desafios das redes municipais de educação diante da pandemia ::

Para Samanta Forte, há um sentimento de falta dos laços que se estabelecem dentro das escolas, entre professores e alunos. “O aluno não tem aquele incentivo do professor, aquele acompanhamento mais próximo, assim como o professor não tem o afeto, aquela gratidão que recebe diariamente dos alunos, que é o combustível para o nosso trabalho”.

 

Brasil de Fato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *