As mídias entram no calote

Alguns organismos da mídia mossoroense (empresas de radiodifusão e blogs, principalmente) entraram na lista dos caloteados pela Prefeitura de Mossoró. Alguns deles já alcançaram quase a metade de um ano sem ver a cor do dinheiro. Segundo Carlos Santos, esta já era uma situação previsível desde o ano passado. E ele até acrescentou: “Ô povo pra gostar de sofrer”, ou seja, sabia que iria dar a mancada e…deu. Antes da conjuntura atual, por motivo de clara perseguição política, a TV Mossoró, a FM-93 e o jornal O Mossoroense já haviam sido vítimas da Prefeitura de Mossoró nesta era comandada por Francisco José da Silveira Júnior.

ÁGUA
Durante esse período em que está faltando água por conta do problema em Assu (a Caern espera regularizar o abastecimento a partir de hoje) estão atendendo emergencialmente a população três poços que disponibilizam água para quem o desejar: a caixa d’água da avenida Alberto Maranhão; o poço 2 da rua Delfim Moreira e o P-22 no bairro Costa e Silva.

ESTACIONAMENTO
Servidor público ter vaga reservada numa repartição que é pública é um privilégio odioso sem qualquer amparo legal (conforme o advogado José Gilberto Carvalho) que foi admoestado por um (a) defensor(a) público (a) depois que ocupou uma vaga que ele diz ser dele em determinada repartição aqui de Mossoró.

RIMAS
O cidadão Gilberto Oliveira fez umas rimas coma falta d’água em Mossoró: “Falta água em Mossoró/ até para caramujo/ de tantos dias sem banho/ assim quase me enferrujo/eu já tou de saco cheio/ de dormir de saco sujo”.

RIMAS II
E as rimas de Gilberto vão mais adiante: “Bom Jardim, Centro, Barrocas; e Alto de São Manoel/ tá o povo todo sem água/ tá todo mundo ao léu/ tem gente tomando banho/ com um copo d’água e pincel”.

CANINDÉ BARRETO
Ele se origina de uma família de radialistas onde os grandes destaques é ele próprio (Canindé Barreto), Edmilson Lucena (já falecido), Danilo Barreto e o mestre da poesia (major Lucena). Passado pela Rádio Libertadora, Tapuyo e há 15 anos na Difusora, Canindé Barreto já soma 26 anos de rádio. Parabéns.

CARROS-PIPA
Como seria de se esperar, os carros-pipa em Mossoró com essa crise no abastecimento de água não estão chegando para quem quer. Todos estão sendo muito procurados e não atendendo a todos os que querem. 150 reais. É mole ou querem mais?

SUSPENSE
Tem uma carga de suspense total o anúncio da ministra Luciana Christina Guimarães Lóssio de que apresentará o seu voto hoje na sessão do Tribunal Superior Eleitoral nesta conturbada decisão se Rosalba Ciarlini ficará ou não inelegível? Tchan, tchan, tchan.

TEATRO
Estava lá a vistosa placa no frontispício do Teatro Lauro Monte Filho anunciando sua reforma. Valor da obra: 2 milhões 621 mil 102 reais e 13 centavos. Responsabilidade: A & C Construção Ltda. Engenheiro responsável: Claudio Augusto da Escóssia. Prazo de entrega: 300 dias. Nada disso prevaleceu e o teatro está aí abandonado e entregue aos pombos e morcegos.

DANILO RIBEIRO
Sou admirador do trabalho de vários companheiros repórteres da Inter TV Cabugi. Ultimamente tem me chamado a atenção o desempenho de Danilo Ribeiro, o seu estilo de relatar as notícias e de abordar bem característico seus entrevistados. Esse rapaz vai longe.

BRITO
Razão sobeja tem o nosso companheiro Brito e Silva quando se refere a essa propalada delação premiada. Ora, diz-se que essas delações estão sob segredo de justiça. Mas, invariavelmente, estão vazando por aí. E a tal Justiça nem fala sobre o assunto. Diz Brito que desse jeito “é melhor fazer estas oitivas em praça pública e transmitida, via satélite, para todo o Brasil e o mundo no comando de Galvão Bueno”. Procedente.

DIOCESANO
Quando da comemoração dos 115 anos do Colégio Diocesano Santa Luzia ainda projetei convocar meu caro companheiro de então, Laete Rosado, para revivermos a “guerra dos maxixes” dos anos 50. Mas, desisti da ideia. Quando esta “guerra” foi protagonizada quem acabou com a nossa “festa” foi o austero diretor Sátiro Dantas, que nos levou (eu e Laete) para a “secretaria” onde ficamos de castigo de frente para a parede.

“JOVENS OBREIROS…”
Tenho registrado algumas reminiscências do meu tempo de garoto no Colégio Diocesano Santa Luzia como uma forma de me integrar aos seus festejos dos 115 anos. Naquele tempo, toda quinta-feira, antes do início das aulas, nos reuníamos todos defronte ao estabelecimento para o hasteamento das bandeiras do Colégio e do Brasil. Cantávamos os dois hinos: o do Diocesano e o do Brasil.

HINO
O hino do Diocesano segue gravado em minha memória: “Jovens obreiros do porvir juramos/ nós, os filhos da terra potiguar/ por Deus e pela Pátria que adoramos/ queremos nossa vida, consagrar/ Deus e Pátria, eis nosso lema/ cheio de crença viril/ é nossa glória suprema/ servir a Deus e ao Brasil”…

NAIDE ROSADO
Ela se manifesta diretamente do Rio de Janeiro, Naide Rosado: “Aproveito, Emery, para unir as nossas vozes quanto ao Aeroporto Dix-sept Rosado. Essa saída, via Aracati, não é senão o “jeitinho brasileiro” de contornar problemas, sem resolvê-los. Como pode progredir uma cidade que fecha uma das suas principais portas? Parabéns. Naide Rosado”.