Após ordem de Maduro, Venezuela anuncia envio de oxigênio hospitalar a Manaus

Ao mesmo tempo, governo do Amazonas, a Força Aérea Brasileira e Ministério da Saúde iniciam uma força-tarefa para transportar cilindros de diferentes regiões do Brasil

Venezuela vai disponibilizar oxigênio hospitalar produzido no país para tentar amenizar o colapso no sistema de saúde de Manaus, onde pacientes estão morrendo asfixiados nos hospitais. Após ordem do ditador Nicolas Maduro, o chanceler venezuelano Jorge Arreaza conversou com o governador do Amazonas, Wilson Lima, que agradeceu o apoio. Enquanto aguardam socorro, o desespero toma conta conta de médicos e parentes. Com mais de duas mil pessoas internadas, a necessidade do oxigênio disparou nas últimas semanas na capital amazonense, muito além da capacidade de produção pelos fornecedores. O governo do Amazonas, a Força Aérea Brasileira e Ministério da Saúde iniciaram uma força-tarefa para o transporte de cilindros. O governo federal ainda negocia com os Estados Unidos o empréstimo de aviões da força aérea auxiliar o trabalho.

Em live ao lado do presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, admitiu o colapso no sistema de saúde do estado. “Entra mais duas aeronaves, chegarem a seis aeronaves no circuito, esse período que temos pela frente, de cinco ou seis dias, será o mais críticos”, disse. Pazuello atribuiu a crise em Manaus a fatores logísticos, à infraestrutura precária e até ao clima, e voltou a dizer que faltou tratamento precoce. Diversas ações na Justiça pedem que o ministério e empresas sejam obrigados a garantir o fornecimento de oxigênio. A prefeitura da capital não descarta usar força policial para recolher cilindros pela cidade. Segundo o governador Wilson Lima, o Amazonas vive uma operação de guerra.

“O Estado do Amazonas, que é referência para o mundo, em que todo mundo volta os seus olhares para cá quando há um problema relacionado ao meio ambiente, está clamando, está pedindo socorro. Considerado o pulmão do mundo, hoje, o nosso povo está precisando deste oxigênio”, relatou. Mais de 200 pacientes serão transferidos para unidades de outros estados. Para frear a disseminação, o governo decretou toque de recolher das 19h às 6h em Manaus. Cirurgias sem urgência estão suspensas.O Amazonas tem mais de 223 mil infectados pelo coronavírus, enquanto quase seis mil pessoas já morrem em decorrência da Covid-19.

*Com informações da repórter Nanny Cox

    JJovem Pan