Ao carnaval que não houve

O folião que habita em mim, saúda o folião que habita em você… Em casa. Resguardo é a palavra da vez, infelizmente ou felizmente. Prudência, responsabilidade para com os nossos semelhantes, respeito à Ciência e aos profissionais da Saúde é lema, é mantra.

Estre vídeo acima enviado pelo também folião e pesquisador nas horas vagas Gutemberg Costa é, ao mesmo tempo, triste e emocionante, dolorido, mas compreensível, principalmente para quem já viveu a alegria das ladeiras de Olinda. Tudo ficará para o próximo ano, se Deus quiser e Ele há de querer.

Por enquanto fiquemos com esta saudade e com as boas lembranças dos grandes carnavais, em Olinda para quem é de Olinda, em Salvador para quem é de Salvador, no Rio para quem é do Rio. Em Apodi, Assu, Caicó. Em Tibau, Iracema e Cabrobó. Em “Oropa, França e Bahia”.

Guardemos as fantasias. Outros tempos, melhores, hão de vir, virão, vocês verão.