Abri minha lojinha, e agora?

Trabalho em marketing e comunicação faz mais de 30 anos, ajudei a construir grandes marcas e cases de sucesso, tive experiências com empresas de todos os segmentos e tamanhos.
Mas, toda vez que encontro um novo empreendedor, com uma nova ideia revolucionária, produtos diferenciados e que vai começar seu próprio negócio, tenho aquela sensação de “ Déjå vu “ de algo que vai se repetir, da coragem dessas criaturas, da determinação deste navegante, com mar de ondas calmas e turbulentas que ele nem sonha ver, desse astronauta com oxigênio e combustível, que nunca pisou em outro planeta.

Chega o grande momento de abrir seu próprio negócio!

Tudo preparado sistematicamente com o olhar de um relojoeiro, tudo perfeitamente encaixado, tudo planejado, planejamento financeiro correto, nome escolhido, produto adequado, logo perfeito, arquitetura impecável, o ponto ideal, público definido, a melhor estratégia de marketing, ….tudo aprovado sem escapar nenhum detalhe, chega o grande dia, a abertura da empresa para o público, a avant-première, ansiedades se misturam com o medo e orgulho…

As portas se abrem, olhares, sorrisos e a sensação de um atleta que se preparou e suou muito para conseguir chegar ao fim de uma maratona, com um toque de mágica, tudo acontece, os clientes entram, se identificam com os produtos, a qualidade do atendimento e serviços, as vendas surgem, a equipe otimista e bem preparada, tudo conforme o planejamento….Sucesso total já nos primeiros dias!…

Uau! Como seria bom se todas as histórias de empreendedorismo que conheci fossem assim, pouparia muito o nosso trabalho de marketing, seríamos como anjos mostrando apenas os caminhos para a salvação do mundo.

Mas nem todos tem este caminho,as histórias nem sempre são assim, não importa o tamanho do negócio e sim da vontade e determinação… precisa muito para ser empreendedor, seja pequeno, médio ou grande. As lutas são muito parecidas, vai ficar muitas noites sem dormir, vai ter que pensar como marqueteiro o todo tempo. Sempre falo que vender é um dom, aliado a técnicas e a um comportamento único, uma atitude de força, de entendimento que pode mudar a vida de uma pessoa.

Vai precisar ter paciência, um olhar aguçado para tudo, o famoso olhar de águia, aliás esta ave é a única que sempre está olhando de cima para baixo, no cume das montanhas mais altas e para chegar à perfeição, ela ainda quebra o próprio bico numa rocha para se preparar para a caça, uma ave de rapina determinada e destemida… mas podemos também ser passarinhos, com velocidade, garra e determinação para sobreviver aos grandes, mas para isto você vai ter que se posicionar, entender seu habitat, os verdadeiros perigos, sentir teu mundo e o espaço onde você fará a diferença para esperar o momento certo para alçar voo. Uma dica, procure nunca ser papagaio, adoro esta ave, mas ficar num espaço pequeno, numa gaiola, falando o que todo mundo repete e te ensina, pode ser um erro grave para empreendedores que querem decolar…

Muitas fórmulas existem, temos que aprender e usar as melhores ferramentas, usar o marketing de forma adequada, comunicar sem ruídos, apresentar os produtos de forma clara, uma marca que mostre onde quer chegar, uma estratégia e reposicionamento de gente grande, não importa o teu tamanho, pense grande, use todos os recursos, tenha boas parcerias, excelente networking e muitos amigos, isto vai impulsionar sua visão e te ajudar a crescer….

Pense em servir e como gostaria que te servissem, não fique dando murro em ponta de faca, achando que você deve persistir se o produto não tiver adequação, se o ponto escolhido não for o ideal, se tem uma equipe que não entendeu teus objetivos, entenda o universo que está pisando, não quebre seu bico sem necessidade, aprenda com os erros, copie o que puder e adapte, melhore… determine um tempo para isto acontecer, escreva tudo, anote até aqueles insights que teve na madrugada, use a tua intuição, creia nas tuas ideias, ore, reze e acredite.Faça acontecer, isto é a sina dos verdadeiros empreendedores que é sonhar, fazer, acontecer e caminhar onde ninguém nem pensou em ir. Essa é a receita dos sobreviventes, especialmente em épocas de crise.

Constantino Marques
Publicitário, diretor da BCS Comunicação e da Minera 360º