A musa do meu amigo

Linda, tesuda e, aparentemente, sensível aos apelos da carne. Passa derramando o mar de seus olhos verdes sobre nós, reles criaturas mortais, a ponto de quase nos afogar em terra firme. Todos a amamos, um de meus amigos em especial, na distância platônica que ele mesmo criou e não consegue vencer. Fidelidade! O rapaz é fiel à namorada.

Nunca nos dá o menor cabimento, apenas segue caminho, aprimorando o molejo sobre os saltos, e isso em gesto de pura maldade, para aumentar a fome canina dos olhos da rapaziada. Quando muito, a danada projeta a claridade do sorriso em resposta aos bons-dias. “Meu Deus”, o pessoal grita o verso de Vinícius, “eu quero a mulher que passa!”

Meu amigo, coitado, sofre horrores. Os que desejam a dita-cuja, sem deixar de torcer pelo companheiro, sofrem por solidariedade. É deveras triste vê-la grudada ao tórax de sujeito qualquer, invadida por beijos sebosos, atada em abraços repressores, profanada à flor da pele por mãos cheias de dedos e sabe-se lá por que mais, longe dos seus vigias.

Aqui para nós, e no melhor sentido da expressão, a tal musa é uma grandessíssima e maravilhosa safada. Alta noite, bar da praça, violões em sol, enxerguei-a por entre sombras, trocando-se em miúdos com um sujeito atarracado e carrancudo. Nem bem amanheceu, encontrei-a noutro canto, dependurada num almofadinha de paletó e gravata.

O leitor pode imaginar, diante das palavras que acabam de cair no papel, que estou com inveja, como se as musas não pudessem sucumbir a calores humanos, a não ser os meus. Na verdade, estamos, eu e a plateia de babões, com a estranha sensação de cornice indireta, mas tudo isso com o maior respeito ao nosso amigo e à sua paixão platônica.

Acordo
O governo federal faz as contas: fechou acordo salarial com um milhão e 21 mil servidores, o equivalente a 83% do total de funcionários da ativa, aposentados e pensionistas.

Opaco
O contracheque de Francisco José Júnior foi “ajeitado” no portal da transparência, depois que O Mossoroense denunciou o esquecimento da promessa de redução dos salários do prefeito e de seus secretários. O gesto, muito além da suposta adequação à realidade, demonstra como é fácil “ajustar” números nesse opaco universo das contas públicas.

Veículos
O governo comemora o crescimento de 1,6% na comercialização de veículos em novembro. No total, foram 195 mil e duzentas unidades vendidas. Os dados, contudo, são críticos quando se compara e se descobre que houve queda de 25% no ano e, considerando o mesmo período de 2014, a coisa descamba para 33,8%.

Wilma
O PSB vai mudar o comando da executiva estadual de qualquer jeito, para receber Ricardo e Rafael Motta, mas somente depois que Wilma de Faria deixar o hospital.

Luto
A dramaturgia perdeu ontem o talento da multifacetada Marília Pêra. Segundo Tony Goes, da Folha de S.Paulo, ela foi a mais completa atriz brasileira.

Candidato
O famoso capitão Styvenson, coveiro da boemia, pop-star da PM, xerife do trânsito, pode ser candidato a vereador de Natal em 2016.

Punição
O presidente da Comissão de Juristas da Desburocratização, Mauro Campbell, defendeu sexta-feira, em audiência pública no Senado, a criação de sanções para os fiscais públicos que causarem a interrupção de obras e serviços de modo injusto.

Rosalba
Não adiante espernear, chorar, gritar, gemer: Rosalba Ciarlini é candidata e muito provavelmente será prefeita de Mossoró pela quarta vez. Deverá ter o apoio do governador Robinson Faria, de boa parte da atual bancada governista na Câmara de Vereadores, de secretários municipais e de uma récua de comissionados que já andam cantarolando “A rosa vermelha/ é do bem-querer” nos corredores do Palácio da Resistência.