NOSSOS POETAS – Ana Carla Azevedo

Ana Carla de Azevedo Silva (Ana Carla Azevedo) é formada em Letras Português pela UFRN; em Letras Espanhol pela UERN; graduanda em Psicologia pela Faculdade Católica do RN. Especialista em Leitura e Literatura pela Faculdade de Natal (FAL); Mestre em Letras pela UERN em 2015. Atriz com DRT/RN desde 2009. Participa de grandes espetáculos de Mossoró. Faz parte da Cia Bagana desde 2009. Professora de Língua Portuguesa na rede estadual de ensino. E autora do livro infantil “O alfabeto – a brincadeira das letrinhas” (2010) e dos cordéis “O dia que Lampião se encontrou com Bolsonaro”, (2018); “Paulo Freire: 40hs de esperança” (2020), “Começar de Novo” (2020), “Nísia de Florestas e Brasis” (2020), este contemplado no Prêmio Nísia Floresta 2020 e do cordel “Encontrei a luz do mundo”, um verso sertanejo, premiado no Festival Literário de Gostoso 2021 e dos poemas “Sacrossanto”, publicado no Edital Devires Poéticos (Itapipoca/CE) em fevereiro de 2021 e o poema “A travessa”, publicado na Revista Inversos (Feira de Santana/BA) através do 2º Concurso de Poesia Escritor Adauto Borges em Março de 2021.

AUTORAL É UM ATO DE AMOR

 

O que está dentro me pertence

No vai e vem de mim mesmo

O modelo sou eu

E como tal guardo-me onde quiser

Aconteço-me nas manhãs de sol,

nas tardes de chuva ou nas noites silenciosas

Os dias me precedem

Alguns velozes, outros ferozes

Aprendi a saboreá-los.

Minha voz tem o som do deleite

E por que meu prazer tem um timbre autoral

Autoral também será minha estreia;

E já que minha linhagem é a potência

Serei instantes esbanjados;

Quando eu fechar os olhos que seja num ato de amor.

ANIVERSÁRIO

 

A gente não devia ser contado pra idade

Devia ser contado pra desejo

Aí não faltaria tempo

Este que vive à espreita do que passa.

Não sei o que fazer com as rugas

Mas faria aniversários para todos os meus desejos

E em cima do bolo colocaria uma única vela

Como para me lembrar que é impossível desejos serem velas

As últimas apagam.

UM BÊBADO QUE ME LEMBROU CARLITOS

 

Gente bêbada é muito relapsa

deixa a alma escorrida por aí

em qualquer esquina.

Sua antena de captar razão

sofreu um arranque.

Uma galinha é menos mofina.

A gramática bebiense é um arremedo.

Desconhece portaria, legislação

e sobriedade.

Mas alguma sonha.

Mostrar comentários (3)