sábado , 16 de dezembro de 2017
Home / Destaques / Uma petição que traduz um sentimento – Wilson Bezerra de Moura
Secas

Uma petição que traduz um sentimento – Wilson Bezerra de Moura

A ideia central é rememorar o passado, quando este é revestido na forma de uma intenção em favor de um povo, cuja historia é voltada para um período de pouco mais de 99 anos.

O jornalista Lauro da Escóssia em sua coluna Mossoró no Passado, ed. de março de 1981, faz referencia ao município de Vertentes, há poucos quilometro de Mossoró que por sinal os devotos de São Expedito até hoje fazem caminhada de Mossoró à Vertente em obediência a uma tradição religiosa.

É que logo após a grande seca de 1915, que atemorizou os habitantes daquela localidade a população decidiu fazer um pedido ao Prefeito da Intendência Mossoroense, coronel Cunha da Mota, nos termos de uma ortografia escrita no estilo de época, que pedimos permissão aos leitores para transcrevê-la na íntegra:

“Ilmo. Exemo. Sr. Camp. Francisco Mota etc., etc., Presidente da Intendência da Cidade de Mossoró. Eis-me presente vós com respectiva altoridade do cargo de justiça em que vos aucupa, no presentimente importância: Chego-me presente vos com o meu menor acanhamento pedindo e rogando por mim aos vossos abitantes do vosso município Enpondo as nossos nicissidades com uma extrama pobreza em que vivemos um vossos cotrerraneos em que vós Sr. Presente determina com força de direiitoria de vosso braço forte de um tão felicíssimo governo.

Pretendemos nós lavradores de V.S. a Simente de inicimiação para o bem está de vosso municipio: (curjia simentes) milho: feijão etc. e carocho algodão no qual vai em este as firmas seguintes – Manuel Matêas, José Dunga Filho, João Rodrigues, Manuel Dunga, Mardocheas Sandoval, Francisco Dunga da Rocha, Geraldo Dunga, Joaquim Ananias, João Moraes Antonio Machabeas, Mariano Bolhão, Manuel Ribeiro, João Galdino, Manoel Kintino, Luiz da Penha, Pedro Rosimundo,Francisco Lionel. Pesso a quem entereçar a este alteslar, no qual pesso acimar-me. Vertente,8 de fevereiro de 1916”.

É isso que acabamos de ver, uma petição formulada no estilo rude em uma época que era possível entender sem um pedido manifestado em riqueza ortográfica, inocência e sabedoria de uma época passada em seus 99 anos, manifestando inclusive o desejo e aspiração de várias empresas agrícolas daquela época, mais que é história e merece ser rememorada.

Na comunidade de Vertente ainda hoje tem familiares Bolão (do antigo nosso amigo Expedito Bolão) e Dunga Rocha (também nosso amigo remanescentes), citada pelos manifestantes da época.