quarta-feira , 12 de dezembro de 2018
Home / Destaques / Trump ataca FBI pelo ataque à escola, enquanto alunos atacam Trump
Donald Trump

Trump ataca FBI pelo ataque à escola, enquanto alunos atacam Trump

Presidente norte-americano acusa a agência de ter “ignorado todos os sinais emitidos pelo atacante da escola na Florida” mas se precocupava mais em tentar provar um “conluio” que não existe.

Nas manifestações que se seguiram ao ataque no liceu Marjory Stoneman Douglas, na Florida, foram exigidas regras mais restritivas e não se pouparam críticas ao Presidente Donald Trump por receber apoios da National Rifle Association (NRA), organização que tem feito lobby para que não sejam impostas limitações à compra de armas.

Aluna do último ano do liceu, Emma Gonzalez disse emdiscurso emocionado que “Precisamos perceber que este não é só um assunto de saúde mental. Ele não teria magoado tantos alunos com uma faca”. Temos de parar de culpar as vítimas e culpar as pessoas que permitiram que isto acontecesse. E não estou a falar do FBI, estou a falar de quem vivia com ele, dos vizinhos que o viram com armas, de quem lhe vendeu as armas…”

Gonzalez dirigiu-se directamente ao Presidente Trump para afirmar que se ele lhe dissesse “que lamenta a tragédia” e “que não há nada a fazer”, ela lhe perguntaria quanto recebeu da NRA durante a campanha. Um dos grandes financiadores de Trump, a NRA investiu 11,4 milhões para ajudar a elegê-lo, parte dos 14,5 milhões que usou em anúncios para candidatos republicanos.

O presidente Donald Trump critiocu o FBI por ter “ignorado todos os sinais emitidos pelo atacante da escola na Florida”. Em suas redes sociais, reprendeu essa agência federal por não ter evitado o ataque (que resultou em 17 mortos e 14 feridos), apesar de ter sido alertado, atribuindo esse facto à investigação que está a conduzir para provar que existe uma ligação da Rússia à campanha que o levou à Presidência.

“É muito triste que o FBI tenha falhado todos os sinais dados pelo atirador da escola na Florida. Isto não é aceitável”, escreveu. “Estão a gastar demasiado tempo a tentarem provar o conluio russo com a campanha Trump. Não há conluio nenhum. Concentrem-se no essencial e deixem-nos a todos orgulhosos!”

Depois das declarações de Trump no Twitter, alguns alunos da escola secundária onde aconteceu o ataque reagiram, indignados. “Sabe o que é que é inaceitável?”, perguntou uma estudante ao Presidente, no Twitter — “Culpar toda a gente, à excepção do atirador e da falta de controlo de armas no nosso país. Até culpou os estudantes. Nós denunciámo-lo [o atirador], nós tentámos. Mas como é que poderíamos saber o que iria acontecer?”. “Os meus amigos foram brutalmente assassinados e tu tens a coragem de fazer com que isto seja sobre a Rússia. Não acredito nisto”, disse outra aluna.

Críticas ao FBI

Em Janeiro, o FBI recebeu uma pista de que Nikolas Cruz, o jovem de 19 anos que é o autor confesso do mais recente tiroteio num liceu americano, poderia tentar algo deste género. A informação chegou através de uma pessoa próxima do estudante, que fora expulso do liceu Marjory Stoneman Douglas por mau comportamento. A agência federal não investigou essa suspeita, como admitiu em comunicado na sexta-feira, e não a deu a conhecer à delegação de Miami.

Entre os “sinais” que o FBI terá “ignorado”, para usar a palavra escolhida pelo Presidente, estão mensagens que o estudante publicou nas redes sociais e o facto de Cruz ter acesso a uma arma.