quarta-feira , 23 de agosto de 2017
Home / Opinião / Laíre Rosado / Reorganização do PT

Reorganização do PT

O Partido dos Trabalhadores construiu sua imagem com muito esforço, até conquistar a confiança do eleitor e chegar à presidência da República. Lula foi o primeiro presidente brasileiro com origem verdadeiramente popular, forjado nas lutas sindicais e com breve passagem pela Câmara dos Deputados. As conquistas sociais garantidas pelos dois governos de Lula são indiscutíveis e o país passou por uma fase de euforia desenvolvimentista. Ao assumir a presidência Lula decepcionou seus aliados mais radicais ao declarar que necessitava do apoio dos empresários e do Congresso para poder governar. O primeiro choque foi a mudança no programa Fome Zero, tido como emancipador, para o Bolsa Família, direcionado para a compensação.

José Dirceu parecia ser o candidato natural à sucessão de Lula. Envolvido em problemas com a justiça o projeto foi mudado às pressas. Lula escolheu sua auxiliar Dilma Rousseff, imaginando que sua eleita, no futuro, não criaria dificuldades para sua eleição como presidente, quatro anos depois. Não foi o que aconteceu e ele passou a dizer, sem arrodeios, que Dilma foi o seu maior erro político. Tornou-se difícil o relacionamento entre os dois. Lula só aceitava entrar em cena quando verificava que as dificuldades estavam superando as benesses sociais do governo. Foi assim que entrou na campanha de reeleição de Dilma nos minutos finais, quando Aécio Neves parecia ser o favorito na disputa eleitoral.

De repente, o PT foi surpreendido pelos opositores ao governo com uma proposta de impeachment da presidente Dilma. Nos primeiros instantes, o povo foi às ruas, mas os movimentos sociais proibiam a participação da classe política. No momento seguinte, tornou-se importante o político fazer parte da mobilização para que ela ganhasse maior viabilidade. Era o que faltava. A associação dos movimentos populares com a classe política deu origem ao debate sobre o impeachment, que cresceu rapidamente por conta da grande insatisfação do brasileiro com o governo federal. Segundo opinião de Frei Betto, o erro de Lula foi ter facilitado o acesso do povo a bens pessoais, e não a bens sociais.

Outro engano foi desprezar o projeto de impeachment sob a alegação de que se tratava de golpe de Estado. Lula chegou a ameaçar que colocaria o “exército do MST” para combater os reacionários. Para alguns analistas, a arrogância do PT superou a realidade política. Dilma anunciou que denunciaria o golpe na Tribuna da Organização das Nações Unidadas. Foi surpreendida por ministros ligados ao PT que afirmaram que esse golpe não existia. O resultado é que Lula e Dilma estão conscientes que erraram e perderão o governo para o PMDB. Na mesma interpretação, Lula considera difícil o retorno do partido ao governo, em breve espaço de tempo. Começou a debandada de prefeitos e parlamentares ligados ao partido. Será o momento para o mea culpa e o trabalho árduo para a reconquista do Poder. Como foi no início.