quarta-feira , 19 de junho de 2019
Home / Opinião / Reflexões teológica – Ricardo Alfredo
foto 09 (5)

Reflexões teológica – Ricardo Alfredo

REFLETIR – MINHA ORAÇÃO          

Salmo 5

1.[Ao maestro do coro. Com flautas. Salmo de Davi.] 2. Escuta, SENHOR, as minhas palavras, atende a meu clamor; 3. fica atento à voz da minha prece, meu Rei e meu Deus. 4. § Pois a ti suplico, 4. SENHOR, já de manhã ouves a minha voz, bem cedo te invoco e fico esperando. 5. Pois não és um Deus que gosta da maldade; o mau não encontra em ti acolhida; 6. os insolentes não aguentam ficar na tua presença. 7. § Odeias todos os que fazem o mal, 7. destróis os que falam mentira; o SENHOR abomina quem derrama sangue ou comete fraude. 8. Eu, porém, confiado na tua grande piedade entro em tua casa, me prostro diante do teu santo templo no teu temor. 9. § SENHOR, guia-me na tua justiça, por causa dos meus inimigos aplaina à minha frente teu caminho. 10. Pois não existe na sua boca sinceridade, seu coração é perverso, sua garganta é um sepulcro aberto, usam a língua para adular. 11. Castiga-os, ó Deus! que fracassem seus planos, em razão de seus muitos crimes rejeita-os, já que se revoltam contra ti. 12. § Mas que se alegrem todos os que em ti se refugiam, exultem para sempre; Tu os proteges e em ti se rejubilem os que amam o teu nome. 13. Pois abençoas o justo, ó SENHOR; como um escudo o cobre tua bondade.

 

ESSA É UMA DAS MENTES QUE O NORDESTE PRODUZIU…

 

foto 01 (14)

 

JERÔNIMO VINGT-UN ROSADO MAIA

Nasceu no dia 25 de setembro de 1920, em Mossoró (RN). Vingt-un era casado com América Fernandes Rosado Maia (12 de março de 1922 + 21 de dezembro de 2009), nascendo desse enlace matrimonial, os seguintes filhos: Maria Lúcia Fernandes Rosado, Jerônimo Vingt-un Rosado Maia Júnior, Jerônimo Dix-sept Rosado Maia Sobrinho, Lúcia Helena Rosado da Escóssia, Isaura Ester Fernandes Rosado Rolim e Leila Rosado.

Era o filho mais novo do senhor Jerônimo Rosado e Isaura Rosado. Vingt-un como toda criança de uma boa família, recebeu também uma boa educação em todos os aspectos. Sua formação acadêmica se deu na Escola Superior de Agricultura de Lavras (MG), atual Universidade Federal de Lavras (MG), sob o registro de nº 3.409 (23/01/1945).

No aspecto político, candidatou-se a Prefeito de Mossoró no ano de 1968, não obtendo sucesso no pleito eleitoral; mas, no período de 1973 a 1977 assumiu o cargo de Vereador.

Cargos públicos, ele ocupou os seguintes: Tesoureiro do Centro Estudantil Mossoroense; Bibliotecário da Biblioteca Cônego Estevam Dantas; no Grêmio Literário Santa Luzia; Redator da Revista “O Agricultor”, na Escola Superior de Agricultura de Lavras (MG);Bibliotecário do Clube Ipiranga; Primeiro Secretário e Bibliotecário do Centro Acadêmico de Agronomia da Escola Superior de Agricultura de Lavras (MG); Secretário da Cooperativa de Crédito Mossoroense; Diretor-Presidente da Mossoró Sociedade Rádio Ltda; Vice-Presidente da Sociedade dos Amigos do Museu Nacional (1962-1963); Presidente do Instituto Brasileiro do Sal (1961-1964); Vice-Presidente da Sociedade Brasileira de Paleontologia (1965); Presidente da Sociedade Botânica do Brasil (1973-1974); Diretor-Gerente da Sociedade Anônima Jerônimo Rosado; Presidente do Conselho Deliberativo do Instituto Brasileiro do Sal (1961-1964); Diretor Responsável da “Brasil Salineiro” (1961-1964); Primeiro Secretário do Instituto Cultural do Oeste Potiguar; Presidente do Conselho Técnico-Administrativo da ESAM (1974-1978); Diretor da Escola Superior de Agricultura de Mossoró (1988-1990); Coordenador da Sociedade Brasileira de Malacologia/RN (1975-1977); Presidente da Fundação Guimarães Duque (1978-1991); Presidente do Conselho Técnico-Científico da Fundação Guimarães Duque (1978-1991).

Foi reconhecido como Professor Honoris Causa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, (25/05/1981); Diploma de Amigo da Cultura pelo Conselho Estadual de Cultura do Ceará (03/03/1983); Professor Emérito da Escola Superior de Agricultura de Mossoró (18/07/1981); Paraninfo dos Contadores da Escola Técnica de Comércio União Caixeiral (1949); Honra ao Mérito: Turma de Engenheiros Agrônomos da ESAM (1971); Medalha do Mérito da Fundação Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais (1983); Medalha do Mérito Mossoroense (31/01/1083); Paraninfo Geral dos Concluintes de todos os cursos da Universidade Regional do Rio Grande do Norte (17/12/1983); Sessão de Homenagem do Instituto Histórico e Geográfico da Paraíba (1982); Diploma de Honra ao Mérito da Sociedade Recreativa dos Engenheiros Agrônomos de Mossoró (1985); Medalha Comemorativa do Cinquentenário da Academia Norte Rio-grandense de Letras (03/12/1986);Instituição das Sessões Magna Branca pela Loja Maçônica Jerônimo Rosado (a partir de 25/09/1990); Medalha “Alberto Maranhão”, pelo Conselho de Cultura do Rio Grande do Norte (1998); Comenda de Honra ao Mérito de Serviço Literário (14/09/1991); Mérito Centenário “Câmara Cascudo”, Prefeitura de Natal/RN (1998); Homenagem do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte aos 50 Anos da Coleção Mossoroense; Diploma de Honra ao Mérito concedida pela Loja Maçônica Jerônimo Rosado (25/09/1999); Presidente de Honra da Academia Norte Rio-grandense de Ciências (30/10/1992); Patrono da Turma de Formando da Escola Palas Atenas (2000); Patrono dos Formandos do Curso de Biblioteconomia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (17/05/2002); Comenda “Carlos Drummond de Andrade” pelo 1º Encontro Norte-Nordeste de Autores Literários (08,09/08/2003); entre muitas outras homenagens.

Com sua inteligência pulsante e com pioneirismo criou: Biblioteca Municipal Ney Pontes Duarte, Museu Histórico Municipal Lauro da Escóssia, Coleção Mossoroense, Academia Mossoroense de Letras (AMOL), entre outros.

Criou a Fundação Vingt-un Rosado, onde estão catalogadas todas as obras da Coleção Mossoroense, uma das maiores registradas em todo o Brasil.

Em junho de 2005, foi publicada uma plaquete de autoria do próprio Vingt-un, sob o título: A Coleção Mossoroense e sua História de 56 Anos de Teimosia, cujo número estava sob o registro de nº 2.711.

Na Fundação que tem o seu nome, foi ele o organizador de muitos trabalhos culturais e históricos, nos quais podemos citar: Os Silvícolas Brasileiros e o Preformismo (1949); Breve Notícia Sobre a Batalha da Cultura (1978); ESAL, ESAM (1992); Os quatro Grandes da História da ESAL (1992); Conversa Sobre a Bastilha (1995); Um Possível Caso de Telegonia Entre os Nossos Indígenas Mencionado por Anchieta (1949); Três Discursos (1953); Dez Temas de Genética (1956); Conversa Sobre a Paleontologia da Região de Mossoró (PMM/DDEC); Alguns Dados Genealógicos Sobre a Família Rosado (1958); Três Crônicas Sobre o 13 de Junho (1977); A Abolição, Festa da Inteligência (1965); Alguns Apontamentos Sobre Tibau (1980); Saudação ao Ministro João Alves Filho (1989); Discurso do Náutico (1990); Discurso de Brasília (1990); Visitando o Sertão (1991); Documentário Abolicionista (1991); A Hipótese do Deslizamento dos Continentes e o Museu Municipal de Mossoró (1991); Comentários ao Histórico da Exploração na Bacia Potiguar Imersa (1991); Mossoró no Cinquentenário da Academia Paraibana de Letras (1991); Discurso da União Caixeiral (1991); Carlota Joaquina de Paiva Maury (1991); Um Plano de Arborização da Cidade em 1977 (1991); João Ulrich Graf (1991); Três Discursos na Noite da Cultura (1992); Homenagem a Pedro Batista de Melo (1992); Mensagem a Dix-huit Rosado (1996); Nove Meses na Vida de Uma Fundação de Cultura (1996); Chegamos a Iracema nas Asas da Poesia (1998); Ao ICOP, o Nosso Muito Obrigado (1998); Luiz da Câmara Cascudo e Mossoró (1999); A História do Petróleo Potiguar, Antes e Depois de 1979 (2000);Os Problemas da Saúde na Intendência Jerônimo Rosado (2000); Lembranças de Dix-sept (2001); As Histórias de Mossoró (2001); O Meu Encontro Com o Motim das Mulheres (2002); Oito Localidades Fossilíferas de Amonoides na Bacia Potiguar (2002); Os Notáveis Que Vicente Sabóia Trouxe para Mossoró (2003); O 30 de Setembro Nasceu na Maçonaria (2003), dentre outros. Todo esse amor incansável em prol da cultura da gente, contribuiu também para descobrir talentos literários, em prosa ou verso, dentre eles: Crispiniano Neto / Erro de Lá, Fraqueza de Cá; Vingt-un Rosado / Desta Vez os Britânicos da Petrobras Vieram de Outros Países do Continente Brasileiro; Geraldo Maia / Mossoró-153 Anos de Emancipação Política; Ana Luiza Cardoso / Museu Preserva Memória Sertaneja; Marcos Pinto / Família Paraguai. De Apodi ao Governo do RN; Vingt-un Rosado / Um Dia as Torres Voltarão aos Sagrados Chãos de Mossoró; Vingt-un Rosado / A Faculdade de Medicina de Mossoró e Um Começo de História; José Romero / A Importância do Mecenato da Batalha da Cultura, em visita de Vingt-un Rosado à Pombal/PB; Jerônimo Dix-sept Rosado Maia Sobrinho / Curriculum Vitae; Vanja Lúcia Freitas dos Reis / Sopro Lírico; Geraldo Maia / A Festa da Padroeira; Nestor Lima / Notas Bibliográficas Norte Rio-grandense; Luiz da Câmara Cascudo / Figuras do RN (2ª Edição); Cid Augusto / Entrevista com Tomislav Femenik; Jornal Gazeta do Oeste / Pe. Sátiro, 50 Anos de Sacerdócio, dentre muitos outros perfazendo um total de 4.320 (quatro mil, trezentos e vinte) títulos até julho de 2005.

Este foi, e é um dos maiores símbolos da cultural do RN e do Nordeste, principalmente de sua terrinha de santa Luzia, Mossoró. Ele foi conhecido como Jerônimo Vingt-un Rosado Maia, o pioneiro. Que ao longo de sua existência visível, labutou em prol de sua terra, da sua gente e da cultural. Provou para todos, como devem seres grandes homens; tementes a Deus, simples, humildes, diplomáticos, educados, corteses e inteligentes. Lições essas, que devem está guardada em todos os corações de todos os homens livres e de bons costumes.

 

 

ANIVERSARIANTES DA ACJUS – ACADEMIA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS DE MOSSORÓ-RN

 

foto 02 (14)

 

 

PENSAMENTO I

Sic transit gloria mundi – “toda glória do mundo é transitória

 

ANIVERSARIANTE…

 

foto 03 (14)

Wilson Bezerra de Moura

Possui graduação em história pela universidade do estado do rio grande do Norte (1970) e graduação em direito pela universidade do estado do rio grande do Norte (1985). atualmente é professor titular da universidade do estado do rio grande do Norte.

Escritor, maçom, atua como jornalista, professor universitário, imortal das seguintes academias: AMOL, ACJUS, AMLERN; Membro do ICOP, e vários órgãos culturais.  Editor do mais antigo jornal maçônico da América Latina, o “Vozes do Templo. WILSON BEZERRA DE MOURA é um Grande ser humano. Todos os dias nos ensina a sermos grandes e humildes.  Sua voz ecoa com sabedoria e paciência nos ensinado a caminhar pela vida. Parabéns, meu irmão e amigo, que o grande arquiteto do universo lhe conceda mais da sua graça e do seu amor.

 

 

ANIVERSARIANTE…

 

foto 04 (13)

Geraldo Maia do Nascimento

Natalense radicado em Mossoró desde a década de 1990, Geraldo Maia se tornou pesquisador referência da história da região graças a sua enorme curiosidade sobre os acontecimentos e fatos relevantes. Aposentado, hoje vive em sua casa confirmando dados, reescrevendo acontecimentos e contando novos pedaços de nossa história.

Geraldo Maia do Nascimento nasceu no dia 23 de maio de 1955 na rua Ritinha Coelho, no bairro Lagoa Seca, em Natal.

Filho do comerciante Geraldo Dias do Nascimento, falecido em 2010 aos 84 anos, e da dona de casa Criselda Maia do Nascimento, hoje com 90 anos, é o filho do meio de três nascidos, sendo Gisélia a mais velha e Genivaldo o caçula. A diferença de idade entre Geraldo e os outros dois é de três anos.

Em Natal estudou no Grupo Escolar Clementino Câmara e na antiga Escola Técnica Federal do Rio Grande do Norte (ETFERN), hoje Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do RN (IFRN). Lá fez o curso técnico em edificações que lhe permitiu os primeiros empregos. Em 1980 foi aprovado no curso de Estatística na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), mas acabou mudando para Economia quando foi transferido para Mossoró, porque não tinha Estatística na Fundação Universidade Regional do Rio Grande do Norte (FURRN). Um ano depois quando voltou para Natal, concluiu o curso de Economia na UFRN.

imortal das seguintes Academias: AMOL, ACJUS, AMLERN; Membro do ICOP, e vários órgãos culturais.  Geraldo Maia do Nascimento é simples e bom. Parabéns, meu irmão e amigo, que o grande arquiteto do universo lhe conceda mais da sua graça e do seu amor.

 

IIIa parte

DIREITOS, DEVERES E VALORIZAÇÃO DOS PROFESSORES NAS RELAÇÕES DE TRABALHO

O discente, a LDB e sua valorização Constitucional

Todos os governos desta nação, nunca tiveram como objetivo real a valorização da educação. No plano político, é um dos temas mais debatido, questionado e apresentada propostas que aos longos destes mesmo governos, nunca são implantadas, ou seja, a educação em tese, é extraordinária, todavia na prática não passa de uma mera ferramenta de discurso político.

Neste mesmo discursos sem há a valorização dos profissionais da educação, como única maneira de preparará a nação para o futuro. Entretanto, como não é tradição essa valorização, logo é esquecida no mar da ignorância e do descaso.

Todavia, no final do túnel surge uma luz, que é a constituição de 1988 que é seguida pela Lei de diretrizes e bases da educação no ano de 1996. Nestes dois textos nacionais, começa os primeiros ensaios de valorização da educação e dos profissionais da educação com aprovação de princípios e normas. Porém, há uma lacuna entre a realidade e a lei exposta. Pois diante da própria Lei, ainda há, mandatários que acreditam em burlar o parecer do legislador, no tocante a valorização dos discentes e de suas condições de trabalho.

O artigo 206, V, da Constituição Federal, empoem, de forma decisiva a valorização dos profissionais da educação, de acordo com a Lei, no plano de carreira e salários, assim como determina as condições de trabalho, deste profissional.  Ao mesmo tempo, determina um piso um modelo de piso salarial e a forma de ingresso por meio de concurso público.

A LDB, na Lei nº. 9.394/96, especialmente no artigo 67, ratifica estes princípios constitucionais para educação e acrescente a promoção dos sistemas de valorização dos profissionais da educação.

Os artigos 12 e 13 da LDB, determina que a responsabilidade com a educação deve ser dividida entre a instituição de ensino e os discentes. Sendo assim, o futuro da instituição está entre o projeto político pedagógico da instituição e a participação ativa dos discentes, da comunidade nas decisões da instituição educacional, apontado para o futuro desejado.

De acordo com a LBD, é deve da instituição de ensino: “velar pelo cumprimento do plano de trabalho de cada docente”. (Art. 12, IV). Essa Lei classifica seis (06), medidas que devem serem cumpridas para boa pratica da pedagogia e da valorização do magistério.

É bom ressaltar que na forma da Lei, há um avanço, todavia, este ainda, não atingiu sua maturidade aplicacional dentro da realidade vivida pelas comunidades educacionais. Ou seja, na prática o avanço é mínimo, pois a responsabilidade pedagógica e social não encontra no seio da sociedade um tratamento digno.

O CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS DOCENTES

Há dois estudos que orienta a ética dos profissionais da educação, sendo eles a ordem nacional do magistério e o próprio código de ética desta classe. Lamentavelmente nem um dos dois fazem parre do dia a dia dos docentes. Não quer dizer que não usem ética, porem quer dizer que não conhecer a postura ideia do docente, visto que, não há uma atenção adequada aos dois regulamentos.

Aqui abrimos um espaço para lembrar o quanto é importante a função dos sindicatos dos professores, que sempre apoiam nas questões difíceis de resolução individual. Este também, contribui de forma decisiva nos acordos coletivos, nas convenções coletivas e também nas relações de trabalho e com o próprio ministério do trabalho. Porém, lamentamos a doutrinação partidária que adentrou os sindicatos, o que vem tumultuando a ideia de liberdade, igualdade e fraternidade, tão anunciado em versos e possas.

Se fizemos um apanhado geral das profissões, perceberíamos que a profissão do professor é diferenciada. Do ponto de vista de alguns, insensatos, a profissão professor, é complexa, complementar, incerta e menos importante que as demais. É bom ressaltar que diante deste grande equívoco, o especialista em Direito Internacional da Educação Agostinho Reis Monteiro, professor da universidade de Lisboa (2006, p.4, afirma: “pode ser considerada como a maior responsabilidade do mundo.”

No processo Educacional, há um vazio, conhecido como carência dentologica, que é a ética que se divide em deontologia, que é a ciência dos deveres, e diceologia, fato este que vem atrasando a valorização dos docentes. Mas há, também a acomodação dos docentes em ser apenas funcionários, tanto da área privada como na área pública da educação, permitido assim, surgir os mandatários, os quais não conhecer, nem entendem de educação, e passam a apontar caminhos, quase sempre é a mudança de rumos em todo processo de  educação, como se eles tivesse uma varinha mágica de mudança. Os quais sempre esquecem de valorizar o passando dos acertos e erros.

Quando a deontologia é subestimada, o profissional da educação deixa de pensar, agir, reagir, e decidir os melhores caminhos educacionais para o discente. Produzindo uma nação que não pensa, não tem criatividade e que passou a ser um mero espetador da própria vida.

Claramente, a nossa busca não é apenas de relação de trabalho do magistério, tanto na área privada como na área pública, mais é reconhecimento dos princípios, valores morais e éticos que contribuem para formação de uma consciência social de valorização do docente, que é sem sombra de dúvidas, a profissão mais importante de uma sociedade desenvolvida.

Portanto, quando ocorrer a conscientização social da importância dos docentes, a sociedade estará preparada para um novo passo que é a aplicação da Constituição Federal e a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), como direitos e garantias individuais e coletivas, passo esse que podemos chamar de evolução e maturidade humana.

Em relação ao magistério público, os docentes devem continuar a busca do cumprimento e da valorização, como afirma a Constituição Federal (art. 206, V) e na LDB (art. 67).

CONVITE ACJUS – (Academia de Ciências Jurídicas e Sócias de Mossoró).

 

foto 05 (13)

 

foto 06 (11)

 

RÁPIDAS DA SEMANA

1- “Estamos vendo o reflexo na nação”, diz pastor após clamor por avivamento no Japão

2- Mais de 400 soldados se convertem após ação evangelística de fuzileiro aposentado

3- “A união dá condições de vencer as adversidades”, diz Cláudio Duarte sobre seu casamento

4- Brasileiros intercedem pelas nações em evento no Japão

5- Andrew Brunson diz que um “tsunami de oração” caiu sobre a Turquia durante sua prisão

6- “Ver mulheres aprisionadas me motivou a contar meu testemunho de dor”, diz Mary Duarte

7- Não tem como ser profundo com Deus e superficial com a Bíblia”, diz Luciano Subirá

8- Estudante ora em meio a tiroteio e sobrevive: “Não podem atirar no sangue de Jesus”

 

PENSAMENTO II

O quam cito transit gloria mundi” – “o quão rapidamente passa a glória do mundo”. (Monge agostiniano Tomás de Kempi)

 

ANIVERSARIANTE…

 

foto 07 (9)

 

Dia 15 de maio a secretaria de Educação do Município de Mossoró-RN, passa a ter idade nova… competência, qualidade e humanidade é sua marca maior. Parabéns, que Deus lhe der a graça de mais e mais anos de vida.

 

ACJUS PROMOVERÁ MAIS UM GRANDE EVENTO

A Academia de Ciências Jurídicas e Sociais de Mossoró- ACJUS, a mais importante instituição do gênero em todo nordeste brasileiro, dando sequência ao seu calendário acadêmico de 2019, promoverá no próximo dia 31 de maio, a partir das 19h – no auditório da Biblioteca Municipal Ney Pontes Duarte, Praça da Redenção, Centro de Mossoró, RN, mais um grande evento cultural-cientifico e social tendo como finalidade exaltar os patronos das cadeiras 21 – Antônio Gonzaga Chimbinho e 43 – Maria Natália Bezerra da Costa.

A apologia é procedimentos ritualísticos obrigatório em todas as academias literárias do Brasil e do Mundo, principalmente na ACJUS, instituição que foi concebida aos moldes da academia Francesa.

No dia 31/5/19, a exaltação será proferida pelo confrade Jerônimo Dix-Sept Rosado Maia Sobrinho e pela confreira Franci Francisca Dantas.

A ACJUS é uma notável e constante reunião de intelectuais, é o berço da cultura jurídica e social de Mossoró e da Região, pois, como dizia Monteiro Lobato, “Um País se faz com homens e livros”.

Indubitavelmente poder conhecer pessoas que construíram as suas trajetórias de vida com dignidade, respeito ao próximo, competência e sensibilidade humana, e que dedicaram suas inteligências as causas da sua cidade já é um privilégio, imagine conviver com elas.

O nosso sodalício através do confrade Jerônimo Dix-Sept Rosado Maia Sobrinho e da confreira Franci Francisca Dantas, no alto dos seus quilates, farão apologia a duas singulares figuras da geografia humana, cultural e social de Mossoró, Antônio Gonzaga Chimbinho e Maria Natália Bezerra da Costa, com numa noite que se já se prenuncia como inolvidável.

 

PENSAMENTO III

“É dentro do silêncio e da espera, que posso sentir a doce mão de Deus. (Escritor: Ricardo Alfredo)

LIÇÕES:

A INJUSTIÇA DESAGRADA A DEUS

Todos aqueles que conhecem o grande criador do universo (Deus), sabem que Ele tem profundo pesar quando os atos de injustiça são cometidos. A injustiça é uma das formas de desagrada a Deus, Pois ele é justo.

A injustiça, no campo psicológico, provoca uma dor emocional profunda, e é sempre a causa danos espiritual. Principalmente, quando a injustiça é feita pelos que amamos.

É tanta verdade, que a justiça está instalada no consciente humano, como se fosse um despertador que avisa quando os atos são injustos.

Dos altos céus, o Rei universal observa todos os procedimentos e atos dos homens, os quais são classificados e ensinados, quando os mesmos são justos e injustos como relata o livro de Eclesiastes: “Eu mesmo retornei, a fim de ver todos os atos de opressão que se praticam debaixo do sol, e eis as lágrimas dos oprimidos, mas eles não tinham consolador; e do lado dos seus opressores havia poder, de modo que não tinham consolador.” (Eclesiastes 4:1).

Contudo, pode ser que enfrentemos situações em que nosso senso de justiça não seja satisfeito.

Como, então, podemos lidar com a injustiça?

As orientações da Bíblia falam sobre a Injustiça

 

Conselho:

Não pervertam a justiça nem mostrem parcialidade. Não aceitem suborno, pois o suborno cega até os sábios e prejudica a causa dos justos. (Deuteronômio 16:19)

Neste assunto, ninguém prejudique seu irmão nem dele se aproveite. O Senhor castigará todas essas práticas, como já dissemos e asseguramos. (1 Tessalonicenses 4:6)

 

Aviso:

Tu não és um Deus que tenha prazer na injustiça; contigo o mal não pode habitar. (Salmos 5:4)

Não se envolva em falsas acusações nem condene à morte o inocente e o justo, porque não absolverei o culpado. (Êxodo 23:7)

É melhor ter pouco com retidão do que muito com injustiça. (Provérbios 16:8)

O Senhor repudia balanças desonestas, mas os pesos exatos lhe dão prazer. (Provérbios 11:1)

 

A relação entre a justiça e a injustiça na eternidade:

Deus “retribuirá a cada um conforme o seu procedimento”. Ele dará vida eterna aos que, persistindo em fazer o bem, buscam glória, honra e imortalidade. Mas haverá ira e indignação para os que são egoístas, que rejeitam a verdade e seguem a injustiça. (Romanos 2:6-8)

 

Semeadura:

Quem cometer injustiça receberá de volta injustiça, e não haverá exceção para ninguém. (Colossenses 3:25)

Quem semeia a injustiça colhe a maldade; o castigo da sua arrogância será completo. (Provérbios 22:8)

Não se deixem vencer pelo mal, mas vençam o mal com o bem. (Romanos 12:21)

 

 

Aviso às autoridades:

“Não cometam injustiça num julgamento; não favoreçam os pobres nem procurem agradar os grandes, mas julguem o seu próximo com justiça. (Levítico 19:15)

A testemunha falsa não ficará sem castigo, e aquele que despeja mentiras não sairá livre. (Provérbios 19:5)

Os justos detestam os desonestos, já os ímpios detestam os íntegros. (Provérbios 29:27)

 

Clamor:

Faze-me justiça, ó Deus, e defende a minha causa contra um povo infiel; livra-me dos homens traidores e perversos. (Salmos 43:1)

No meio dela está o Senhor, que é justo e jamais comete injustiça. A cada manhã ele ministra a sua justiça, e a cada novo dia ele não falha, mas o injusto não se envergonha da sua injustiça. (Sofonias 3:5)

“O jejum que desejo não é este: soltar as correntes da injustiça, desatar as cordas do jugo, pôr em liberdade os oprimidos e romper todo jugo? (Isaías 58:6)

Portanto, a ira de Deus é revelada dos céus contra toda impiedade e injustiça dos homens que suprimem a verdade pela injustiça, (Romanos 1:18)

Não ofereçam os membros do corpo de vocês ao pecado, como instrumentos de injustiça; antes ofereçam-se a Deus como quem voltou da morte para a vida; e ofereçam os membros do corpo de vocês a ele, como instrumentos de justiça. (Romanos 6:13)

Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça. (1 João 1:9)

 

Andar em retidão:

Aquele que anda corretamente e fala o que é reto, que recusa o lucro injusto, cuja mão não aceita suborno, que tapa os ouvidos para as tramas de assassinatos e fecha os olhos para não contemplar o mal, é esse o homem que habitará nas alturas; seu refúgio será a fortaleza das rochas; terá suprimento de pão e água não lhe faltará. (Isaías 33:15-16)

O homem que obtém riquezas por meios injustos é como a perdiz que choca ovos que não pôs. Quando a metade da sua vida tiver passado, elas o abandonarão, e, no final, ele se revelará um tolo. (Jeremias 17:11)

O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. (1 Coríntios 13:6).

 

Portanto, é importante que na vida sigamos as orientações da sabedoria que é universal e dada pelo Rei Universal há quem desejar receber. E assim teremos uma vida mais frutífera, cheia de paz e feliz.

 

PENSAMENTO IV

“Vós, que sofreis, porque amais, amai ainda mais. Morrer de amor é viver dele”. (Victor Hugo)

 

CONVITE – SESSÃO DE ELOGIO DA ACJUS

 

foto 08 (6)

 

ENCONTRO DE INTELIGÊNCIAS

 

foto 09 (5)

Encontro de Escritores: João Almino e Welington Barreto

 

Tolo (Roberto Carlos Pra Sempre: Década de 80)

Essa é uma das mais belas canções do Rei Roberto Carlos e expressa a tristeza de uma constatação. (grifo nosso).

 

Como um tolo
Fui seguindo seu caminho
Me deixando ser levado
Por suas mãos
Na ilusão do amor, sem pensar na dor
Eu me esqueci
De me resguardar, de me proteger
De pensar em mim

Na velocidade que eu vinha
Não pude mais parar
E até os sinais que os amigos deram
Eu não percebi

Tudo ultrapassei, nada respeitei
Eu só vi você, ai…
Quanta insensatez, quanta estupidez
O que eu fiz pra mim

Como um bêbado bebi suas palavras
E quando eu acordei e te procurei
Nem sequer me achei
E então enlouqueci

 

Fui além dos meus limites
Explodi todas as pontes tentando esquecer você
Quanta insensatez, quanta estupidez
O que eu fiz pra mim

Como um bêbado bebi suas palavras
E quando eu acordei e te procurei
Nem sequer me achei
E então enlouqueci

Fui além dos meus limites
Explodi todas as pontes tentando esquecer você
Quanta insensatez, quanta estupidez
O que eu fiz pra mim

Quanta insensatez, quanta estupidez
O que eu fiz pra mim

O CAPITAL ELEITORAL DE ALBERT DICKSON EM NATAL

 

foto 10 (5)

 

O deputado estadual Albert Dickson (PROS), que faz política silenciosa, conquista resultados incríveis. Líder evangélico e oftalmologista, o parlamentar foi o mais votado da capital na última eleição. Dickson tem um bom capital eleitoral e seria uma opção de vice fortalecedora ou até para disputar na cabeça de chapa. (Fonte: http://www.cleitonalbino.com/)

 

POEMAS – CLÁSSICOS DAS POESIAS

POEMA 1

Ainda que mal

Ainda que mal pergunte,
ainda que mal respondas;
ainda que mal te entenda,
ainda que mal repitas;
ainda que mal insista,
ainda que mal desculpes;
ainda que mal me exprima,
ainda que mal me julgues;
ainda que mal me mostre,
ainda que mal me vejas;
ainda que mal te encare,
ainda que mal te furtes;
ainda que mal te siga,
ainda que mal te voltes;
ainda que mal te ame,
ainda que mal o saibas;
ainda que mal te agarre,
ainda que mal te mates;
ainda assim te pergunto
e me queimando em teu seio,
me salvo e me dano: amor.  (Carlos Drummond de Andrade)

 

 

 

POEMA 2  

Quero apenas cinco coisas…
Primeiro é o amor sem fim
A segunda é ver o outono
A terceira é o grave inverno
Em quarto lugar o verão
A quinta coisa são teus olhos
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser… sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando.  (Pablo Neruda)

 

POEMA 3

AQUELA DOSE DE AMOR
(do livro DEZ CORDÉIS NUM CORDEL SÓ, Ed. Queima-Bucha, Mossoró, 2006)

Um certo dia eu estava
Ao redor da minha aldeia
Atirando nas rolinhas,
Caçando rastros na areia,
Atrás de me divertir
Brincando com a vida alheia.

Eu andava mais na sombra
Devido ao sol muito quente,
Quando vi uma juriti
Bebendo numa vertente.
Atirei, ela voou.
Mas foi cair lá na frente.

Carreguei a espingarda,
Saí olhando pro chão,
Procurando a juriti
Nos troncos do algodão,
Quando surgiu um velhinho
Com um taco de pão na mão. (Antônio Francisco)
continua…

PENSAMENTO VI

“Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido. Eu não: quero uma verdade inventada”. (Escritora: Clarice Lispector)

 

AUTORES Mossoroense

 

foto 11 (4)

Antônio Francisco

 

foto 12 (4) 

Ângela Rodrigues Gurgel

foto 13 (3)

Taniamá Vieira da Silva Barreto

foto 14 (3)

Edson Júnior

 

foto 15 (1) 

Manuel Vieira Guimarães Neto

foto 16

Maria do Socorro Cavalcante

 

foto 17 (1)

Almir Nogueira da Costa

 

foto 18 (1) 

Breno Valério

 

 

 foto 19 (1)

Welma Maria Ferreira de Menezes

 

foto 20 

Paulo Fernandes

 

Mossoró é uma cidade pioneira, universitária, de homens e mulheres capacitados e grandes escritores. Mossoró é uma honra para o Nordeste e para o Brasil.

Acima estão alguns escritores que honram a nação, o Nordeste, o Estado RN e a cidade Mossoró.

Viva a Mossoró, país da liberdade, da igualdade e do pensamento livre.

 

LIÇÕES DE VIDA…

Dois amigos estavam caminhando no deserto. Num certo ponto, eles tiveram uma discussão e um deles deu um tapa na cara do outro.

O rapaz que recebeu a bofetada ficou muito triste, e sem dizer nada, ele escreveu na areia: “Hoje, meu melhor amigo me deu uma bofetada na cara”.

Eles continuaram andando até encontrarem um oásis com um lindo lago, onde pararam para se refrescar. O rapaz que levou o tapa caiu em um buraco com lama e começou a afundar, mas seu amigo o salvou. Depois que ele se recuperou desse choque, escreveu em uma pedra: “Hoje, meu melhor amigo salvou a minha vida”.

Curioso, o amigo que bateu nele e o salvou perguntou: “Quanto eu te dei um tapa, você escreveu na areia. Agora que te salvei, você escreveu na pedra. Por quê?”

O outro amigo respondeu: “Quando alguém nos machuca, devemos registrar na areia, onde os ventos do perdão podem apagá-lo. Mas, quando alguém faz algo de bom para nós, devemos gravá-lo em pedra, onde nenhum vento pode apagá-lo”.

Moral da história: Não valorize as coisas que você tem em sua vida. Valorize as pessoas que você tem em sua vida.

 

SBEC ELEGERÁ SUA NOVA DIRETORIA EXECUTIVA                                                       

foto 21

 

O Presidente da Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço-SBEC, Professor Benedito Vasconcelos Mendes nomeou hoje, dia 9 de abril de 2019, os confrades Ângelo Osmiro Barreto e Aderbal Simões Nogueira para Presidente e Vice-presidente, respectivamente, da Comissão Eleitoral, para organizar as eleições para o preenchimento dos cargos da Diretoria Executiva e do Conselho Fiscal da SBEC, para o biênio 2019 – 2021. A eleição está prevista para ocorrer no dia 13 de junho, data em que a instituição completa 26 anos de fundação. A posse dos novos membros da Diretoria Executiva je do Conselho Fiscal ocorrerá em Mossoró-RN, no próximo dia 31 de agosto do ano em curso, por ocasião da realização da XVI Jornada Cultural do Museu do Sertão. A eleição será realizada pela internet.

 

ACJUS DESENVOLVE PROJETO NA ESCOLA ROTARY

 

foto 22

 

A Academia De Ciências Jurídicas e Sociais de Mossoró – ACJUS, desenvolve o seu mais importante Projeto (Lendo, Escrevendo e Aprendendo) na Escola Municipal Rotary, equipamento escolar municipal que atualmente é administrado pela professora JAILMA SOARES, educadora com vasta experiência no campo educacional que ao longo de suas atividades como gestora vem demonstrando competência e compromisso, inclusive,  superando dificuldades e o fruto dessa dedicação a sociedade vem observando a melhoria na qualidade do ensino e  nos indicadores avaliativos da escola, principalmente no quesito da redução  da evasão e da repetência,   o que faz da Escola Rotary uma das melhores da rede pública, bem como um  espaço agradável e seguro para se frequentar.

A diretora JAILMA SOARES, faz questão de ressaltar categoricamente que o sucesso não veio facilmente e nem resultado do trabalho de uma pessoa só. Ela pondera que precisou de muito trabalho e, acima de tudo, de muito compromisso com os objetivos propostos, daí, exigindo-se uma conjunção de esforços que engloba todos os participes da comunidade escolar.

Diz a diretora JAILMA SOARES: “Importante que se registre que nada vem por acaso, tudo depende da luta, da organização e da vontade de se fazer o melhor. A educação é o mais importante mecanismo de transformação do homem na sua luta pela conquista da sua emancipação. Sem educação e sem conhecimento, o cidadão permanecerá sempre na dependência”.

Acrescentando: “A Escola Rotary vem sendo destaque, graças ao trabalho de uma equipe comprometida, unida e altamente qualificada”.

Realmente, a ACJUS observando esse diferencial, dentre muitas solicitações, optou por desenvolver o seu principal projeto, na Escola Municipal Rotary, justamente por conhecer o brilhante trabalho que vem sendo realizado lá.

 

 

PENSAMENTO VII

“A arte de escutar é como uma luz que dissipa a escuridão da ignorância”. (Dalai Lama)

 

PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRÂNSITO

 foto 23

 foto 24

REFLEXÃO

Salmo 2 – O Reino Messiânico

Este salmo é profético messiânico, e ele declara a supremacia do salvador, o ungido de Deus, (o Mashiah) e o seu poder.

Davi profeticamente, apresenta toda a história do messiânica – Sua vida, morte, ressurreição e futuro reino. Davi, o autor deste salmo era um pastor, soldado e rei. Podemos ver que ele era também um profeta (At 2:29, 30) porque este salmo descreve a rebelião das nações e a vinda de Cristo para estabelecer Seu reino eterno. Um dos mais ricos é o segundo Salmo, vejamos a sua divisão teológica:

Dos versículos 1-3 é apresenta a rebeldia dos povos e dos líderes humanos

no versículo 1 – os Gentios são entendidos como Povos

no versículo 2 – O salmista mostra a oposição dos Reis e Príncipes contra o Senhor dos exércitos e o seu Ungido (Messias/Cristo – veja Atos 4:25-26)

no versículo 3 – a visão distorcida sobre a doutrina de Deus em Laços e algemas – como os ímpios veem a lei de Deus (contraste com 1:2)

no versículo 4 – A reação de Deus

no versículo 5 – Deus Ri e zomba deles, pois sabe o seu fim

no versículo 6 – Fala do furor de Deus e a justiça é consequência natural da santidade daquele que “habita nos céus”.

nos versículos 7-9 – o salmista ver o grande Deus estabelecendo o seu Ungido “Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei” – não fala de criação, nem do nascimento de Jesus.As citações deste versículo no NT o aplicam claramente à ressurreição e ascensão de Jesus. Ele venceu a morte e tomou seu lugar como sumo sacerdote eterno no Santo dos Santos (veja Atos 13:33; Hebreus 1:5; 5:5)

nos versículos 8-9  – o Ungido  o seu reinado sobre todos: 8  “Sobre todas as nações” (veja Atos 17:30; Filipenses 2:9-11)  9 “Com vara de ferro – força para castigar e destruir”

nos versículos 10-12 O salmista declara que os homens devem servir ao Senhor:  10 – Os líderes prudentes ouvem a advertência do Senhor

nos versículos 11-12 o salmista chega a uma conclusão: todos para se salvarem, precisam se submeter ao Senhor. 12 – Aqueles que se refugiam em Deus são abençoados