terça-feira , 23 de maio de 2017
Home / Opinião / Laíre Rosado / Possibilidade de Coligar

Possibilidade de Coligar

A semana terminou com a curiosidade dos mossoroenses em alta. A ex-governadora Rosalba Ciarlini confirmou sua candidatura à sucessão de Francisco José. O vereador Genivan Vale disse de sua disposição de disputar o mesmo pleito. O prefeito está em campanha aberto para continuar no cargo. O professor Luiz Carlos colocou em dúvida a manutenção do seu nome para concorrer ao pleito majoritário. Sebastião Couto tem mantido contatos sem ampliar suas bases de apoio. Larissa continua trabalhando sua candidatura, da mesma forma que outros candidatos, como a ex-prefeita Fafá e o professor Josué.

Esses nomes todos não chegarão até a convenção. Tudo vai depender dos entendimentos que estão sendo mantidos, procurando maior visibilidade para cada candidatura. Há os que querem marcar posição e serão candidatos em qualquer cenário existente. A ex-governadora Rosalba Ciarlini continua liderando as pesquisas e o prefeito Francisco José mantém a última colocação. É importante lembrar que esse é o quadro do momento atual e que poderá ser modificado quando a campanha for iniciada.

Com a aprovação do processo de impeachment a política nacional deixou de ser a grande discussão em todos os ambientes. O julgamento, que poderá demorar até seis meses não tem os mesmos ingredientes para prender a atenção do brasileiro. Os primeiros movimentos do governo Temer serão acompanhados com curiosidade, mas sem a ansiedade, por exemplo, de quando Lula assumiu pela primeira vez seu mandato presidencial. Depois, as convenções municipais estão se aproximando, sendo necessário aos candidatos terem uma projeção de como poderá se comportar a candidatura de cada um no cenário sucessório.

Francisco José diz que tem o apoio de mais de dez partidos. Mas, essas legendas estão nas mãos de familiares e auxiliares de governo. O PSDB, com a candidatura de Sebastião Couto não tem interesse em alianças, trabalhando chapa empresarial sem permitir apoio de políticos tradicionais. A curiosidade é saber da possiblidade de união de lideranças que estão afastadas, algumas há muitos anos, outras há pouco tempo. Será possível unir Rosalba, Sandra Fafá e José Agripino em torno de um projeto? Se possível, como o eleitor interpretará essa união? Será que Mossoró precisa que isso aconteça? Essa resposta será importante para o início de entendimentos relacionados à escolha do candidato a prefeito de Mossoró.