quinta-feira , 19 de outubro de 2017
Home / Universo / Poesias / Poesias

Poesias

Vontade de amar
Itamir Vieira
Mossoró/RN

Teus olhos.
Verde luz lanterna cor
que me alumia o dia.
E de manhã me acordam da noite curta
por amor interrompida.

Teu cheiro.
Fecho os meus olhos agora,
para sorver este suave aroma
que me arrepia.

Tua voz
em meu ouvido a confessar
inocentes delitos,
fala-me de coisas que
aqui não posso revelar.

Meu peito junto ao teu:
Silêncio! Quero ouvir
o ritmo acelerado e descompassado
do teu coração.

Quem é você?
Que nesse instante delírio de paixão
me incendeia e me equilibra?

Quem é você?
Que me oferece a luz dos teus olhos,
o calor arrepio da tua pele
e a tua confissão de delitos inocentes?

Equilíbrio estrela luz a dissipar as trevas
sonho força desejo e paixão.
Atônito, vejo-me em teus braços na
urgente e incensurável vontade de amar.

Alimentação saudável
Lucas Gabriel, 12 anos
Mossoró/RN

Alimentação saudável
é pra você se alimentar.
vá procurar a nutricionista
e se consultar.

Se não alimentar bem
obeso vai ficar,
então trate de se alimentar
e você bem vai ficar.

Exercício é essencial,
você vai ficar sarado
e ter uma vida legal.

O trabalho na escola
já está me ajudando,
pois graças a ele
já estou me cuidando.

Dias de espera
Airton Cilon
Mossoró/RN

O correr dos dias são enfadonhos…
Eu perco o sono,
Eu perco
O verso
Que me
Contradiz
E justifica
Ausências…
Pacientemente
Eu espero
Um sinal
Verde de esperança.
Eu velo dias
De espera.

Doçura de Infância
Jania Souza
Natal/RN

Ah! Quão doces eram meus dias
Quando ainda eu corria
No quintal da goiabeira
Em que da janela eu via
Passar anos em asas borboletas.

Pulava corda e também academia
Apelidada, hoje, de amarelinha.
Feito pipa veloz no ar do espaço
Corria no chão da rua o tica-tica
Atrás de toda a alegre criançada.

Ah! Quando a cascata da chuva caia
Sonhava banhar-me na bica
Feito barquinho de papel
Correr no rego da rua
Na corredeira navegar até a lua.

Escondia-me dentro, bem no centro,
Das sapecas bolinhas de sabão
E com o arco-íris ganhava o infinito
Livre como se fora heroico avião.

Voava na fantasia dos livros
Em visita a castelos, fadas e ao Saci,
Tecidos na almofada de bilros
Pelas ternas mãos de Vovó Joana.

Com amigas, fazia cozinhado.
E brincava de casinha
Bonecas, panelas e estofados.
Era uma grande algazarra.
Minhas irmãs tão pequenininhas
Sempre faziam uma festa renovada.

Na escola respondia com poesia
A sabatina da língua encantada
Até a solução dos problemas
Era feito nos quadrinhos da tabuada.

Mamãe abençoava-me com sorriso
Ensinava-me a conhecer
O segredo da palavra.
Guardava no coração
Tão profundos ensinamentos
De quem só sabe amar e dar-se.

Ah! Quão doces eram os meus dias
Da minha inocente infância
Cheia de bombons carinho.
Lá me foi apresentado o Menino Jesus
Meu companheiro fiel na jornada
Nas horas tristes e também nas felizes.

Ah! Saudades de minha doce infância
Quando pensava que tudo sabia
Mas apenas engatinhava com ternura
Na mágica voracidade da estrada da vida
Que com sua sabedoria me abraçou e engoliu-me.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *