quarta-feira , 20 de setembro de 2017
Home / Universo / Poesias / Poesias

Poesias

COM O TEMPO APRENDEMOS…
Lindomarcos Faustino
Mossoró/RN

Com o tempo aprendemos…
Que a família é base da nossa educação,
Que o dinheiro não é tudo é apenas essencial,
E que o amor‚ é diferente da paixão.

Com o tempo aprendemos…
Que não importa nossa cor, pois somos todos iguais,
Que nossa missão é amar as pessoas
E espalhar pelo mundo a paz.

Com o tempo aprendemos…
Que fazer sexo não é fazer amor,
Que nossos amigos são anjos
Mandado pelo Senhor.

Com o tempo aprendemos…
Que nada é para sempre nesta vida,
Que morrer é apenas uma passagem
Sem volta apenas só de ida.

Com o tempo aprendemos…
Que a vitória nasce se nós lutarmos,
Que uma das leis de Jesus
É uns aos outros amarmos.

Com o tempo aprendemos…
Que os melhores professores são nossos pais,
Que no passado ficaram momentos
Que não voltam mais.

Com o tempo aprendemos…
Pelos nossos sonhos lutarmos,
Que a cada derrota temos que levantar a cabeça
Para de pé caminhamos.

Saudade
Pâmela Thais Bezerra Galdino
Mossoró/RN

Mulher sorriso sumiu,
Alegria sumiu,
Lembrança pareceu e a saudade bateu!

Bateu, bateu com força,
Bateu sem pena.

Sobre ela a saudade?
Bateu!
Bateu de deixar marcas,
Bateu e o coração sentiu, doeu.

Mulher a saudade bateu mas…
Esperança não morreu,
e se tu correres,
ainda tem a chance de ver eu.
Pois a saudade bateu
e se tu demorar muito,
vai ouvir: Ele morreu…

Caatinga
Camila Paula
Mossoró/RN

Não me ignores quando passares por mim.
Não tenha dó de minha condição de agora.
Galhos retorcidos,
Raízes profundas, espinhos,
Sem folhas ainda sou flora.
Quente.
Mata.
Neve que não derrete.
Deixe a chuva chegar.
Deixe a chuva molhar.
Você verá que nunca estive morta
E sempre fui bonita.
Gogoia cura ou pode envenenar.
Mato a sede e permaneço viva.
Meu outro nome é resistência.

PESO
Cefas Carvalho
Natal/RN

de cansaço
em cansaço
envergo-me

nem de aço
nem de ferro…
(enxergo-me

aos pedaços)

não grito
nem berro
silencio

do fruto,
o bagaço
regurgito

(de cio
em cio
copulo
e reproduzo

aflito
vazio
me anulo
e acuso)

Borboletas Azuis
Jania Souza
Mossoró/RN

mulher em metamorfose
transcende cheiro primaveril

cálice de pétalas pequeninas
transborda suavidade
feitiço
das borboletas azuis

suave odor a sensualidade feminina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *