quinta-feira , 13 de dezembro de 2018
Home / Destaques / Para especialistas, novas regras de financiamento não afastaram peso do poder econômico nas eleições

Para especialistas, novas regras de financiamento não afastaram peso do poder econômico nas eleições

Segundo Helena Chagas, a existência de um teto para as doações fez com que os partidos privilegiassem candidatos ricos, que podiam injetar seus próprios recursos nas campanhas, e famosos, por já serem conhecidos do grande público

Cientistas políticos avaliam os prós e os contras da primeira eleição geral sem financiamento empresarial de campanhas e com menos tempo de propaganda oficial.

Em 2018, o financiamento das campanhas ocorreu apenas com recursos de fundo público, doações de pessoas físicas, “vaquinhas virtuais” (crowdfunding) e autofinaciamento. Mesmo nesses casos, havia limites: as doações, por exemplo, não podiam ultrapassar 10% dos rendimentos brutos do ano anterior à eleição. E havia teto para gastos nas campanhas: um candidato a deputado federal não podia gastar mais de R$ 2,5 milhões; já o limite para os candidatos à presidência da República foi de R$ 70 milhões, podendo ser acrescido em R$ 35 milhões em caso de passagem para o segundo turno.

TV CÂMARA
RICARDO CALDAS
Segundo o cientista político Ricardo Caldas, os candidatos investiram mais nas redes sociais para driblar a falta de recursos

Para a jornalista e colunista de política Helena Chagas, as novas regras ainda não afastaram o peso do poder econômico nas campanhas eleitorais. “A gente vê que os gastos dos candidatos estão aparentemente menores, e não houve aqueles marqueteiros com contas milionárias. Mas também não há nenhuma certeza de que não houve o famoso ‘caixa 2’ e uso de recursos irregulares”, alerta. “Devido à falta de recursos, foi uma eleição dos ricos e famosos: o rico, porque podia tirar dinheiro do bolso; e o famoso não precisava gastar tanto dinheiro para se tornar conhecido”, acrescenta.

Fundo eleitoral
O Fundo Especial de Financiamento de Campanha colocou R$ 1,7 bilhão nas campanhas deste ano. O advogado Francisco Emerenciano, especializado em direito eleitoral, no entanto, critica a concentração desses recursos nas campanhas dos chamados “caciques” políticos em detrimento da renovação partidária.

“Depois que o recurso é destinado ao partido, a distribuição é feita no formato que a legenda entender conveniente. Então, não há uma fiscalização de quem endereça os recursos à agremiação – que é a União – nem de como isso é distribuído”, argumenta.

Estratégias
O cientista político Ricardo Caldas observou estratégias diferentes dos partidos diante das verbas arrecadadas: aqueles com campanhas presidenciais investiram mais nessas candidaturas, enquanto outras legendas privilegiaram as campanhas que pudessem aumentar a representação na Câmara dos Deputados e, assim, superar as cláusulas de barreira. O menor tempo de campanha teve de aguçar a criatividade dos candidatos, de acordo com Caldas.

 “Houve um redirecionamento das campanhas, que tiveram de ser mais inteligentes e de menor custo”, destaca.

“Como havia menos recursos disponíveis, as pessoas utilizaram mais as mídias sociais e anteciparam o período eleitoral: em vez de esperar o começo da campanha oficial, os candidatos começaram a aparecer mais cedo na internet e a se apresentarem como pré-candidatos”, afirma. Dessa forma, explica o cientista político, esses políticos não feriram a legislação e tiveram uma grande visibilidade.

Financiamento coletivo
Já as “vaquinhas virtuais” arrecadaram bem menos do que os candidatos esperavam. Para Ricardo Caldas, o financiamento coletivo ainda demanda aprendizado. “Alguns usaram as ‘vaquinhas eletrônicas’ usaram com relativo sucesso, outros não.”

A prestação de contas final das eleições de 2018 vai até 6 de novembro para os candidatos que encerraram a disputa no primeiro turno, e até 17 de novembro aos que ainda disputarão o segundo turno.

Agência Câmara Notícias