segunda-feira , 22 de outubro de 2018
Home / Destaques / Operação em João Câmara desarticula organização criminosa que cometeu homicídios
Alguns dos acusados de fazer parte da quadrilha.
Alguns dos acusados de fazer parte da quadrilha.

Operação em João Câmara desarticula organização criminosa que cometeu homicídios

Uma investigação da Delegacia Municipal de João Câmara sobre a atuação de uma organização criminosa que agia na cidade, resultou na deflagração da Operação Associados na manhã desta quinta-feira, 10. Com apoio da Polícia Militar, a ação conseguiu cumprir 27 mandados de prisões preventivas que faziam parte do grupo criminoso, responsável por pelo menos nove homicídios que foram cometidos na cidade, no último ano. A operação contou com o trabalho de 60 policiais, entre civis e militares

De acordo com o titular da delegacia, o delegado Nivaldo Floripes, o nome da operação Associados é uma em referência a forma como a organização criminosa agia. “Eles queriam dominar o tráfico de drogas na cidade e não admitiam que os negócios sofressem interferências de ninguém. Desta feita, a organização criminosa eliminava (matava) concorrentes que pudessem atrapalhar os objetivos da organização”, detalhou o delegado.

O líder do grupo, José Eduardo de Souza, conhecido como “Velho Edu”, que já está preso em Alcaçuz, comandava a organização criminosa ligada ao Sindicato do RN, e cuidava da circulação de droga que vinha de Santa para Cruz João Câmara. Ele era o dono do material entorpecente e coordenava um grupo de criminosos que agia em João Câmara. A organização atuava em duas frentes, uma delas era voltada para o comércio das drogas na cidade e outra funcionava como grupo de extermínio, principalmente em crimes voltados a facção criminosa rival, o PCC.

O tráfico de drogas tinha uma “gerente”, Carla Maria Andrea, que tinha por função guardar todo o material na casa de Suêmia Araújo do Nascimento. Também havia um subcomando para o cometimento de outros delitos, que era coordenado por José Valter, ambos já cumpriam pena no sistema prisional. Entre as tarefas que estavam sob a responsabilidade dele, uma delas era organizar a lista das pessoas que deveriam ser mortas, lista essa que continha nomes de policiais militares, guardas municipais, empresários e mototaxistas. Devido investigação, essas mortes foram evitadas.