sábado , 14 de dezembro de 2019
Home / Destaques / OBVIO/UFERSA: Último fim de semana de julho teve 24 assassinatos no RN
Violência letal com arma de fogo no Brasil atinge patamares comparáveis a poucos países da América Latina.
Violência letal com arma de fogo no Brasil atinge patamares comparáveis a poucos países da América Latina.

OBVIO/UFERSA: Último fim de semana de julho teve 24 assassinatos no RN

O OBVIO – Observatório da Violência Letal Intencional do RN: Nova atualização de CVLIs, no período compreendido entre 1 de janeiro a 30 de julho de 2017 comparado ao mesmo período dos anos de 2015 e 2016.
O RN contabiliza mais um fim de semana violento. No cômputo geral, até o fim da noite de ontem (30/07/2017) foram 1414 CVLIs no RN. Os dados apontam para um aumento de 24,7% em relação a 2016. Os dados absolutos demonstram 280 mortes violentas a mais que no ano passado no mesmo período. Em 2016, até o mesmo período, foram 1134 CVLIs, contra 931 em 2015 e 1065 em 2014.
Quanto ao gênero, as vítimas de CVLIs deste FDS no RN, 23 (95,83%) foram homens e 1 (4,1%) foram mulheres.
Nos locais onde ocorreram os CVLIS neste último final de semana, tivemos: 8 casos dentro ou na frente da residência da vítima (33,33%); 6 em vias públicas (25% do total); 4 em terrenos baldios (16,67% do total); 4 em hospitais e/ou prontos socorros (16,67% do total); 1 em bares e festas (4,17%); e 1 nas margens de rodovias e estradas (4,17% do total).
A dinâmica da violência elenca fatores que têm levado a concentração de CVLI no Leste Potiguar já foram amplamente divulgados por este Observatório em diversos relatórios, que desta feita foi responsável por 75% dos homicídios do final de semana (18 do total), seguida pela região Oeste Potiguar com 5 CVLIs (20,83% do total) e da Região Agreste também com 1 CVLI (4,17% do total). Não houve registro de homicídios na Região Central Potiguar.
A Região Metropolitana de Natal concentrou 75% das ocorrências (18 do total) e o restante ficou no interior do estado com 25% (6 do total). A tendência de migração criminal devido à concentração de esforços na capital dá mostras de sua veracidade: foram 7 CVLIs em Ceará-Mirim, seguido de Extremoz com 5, depois vem Natal com 3, São José de Mipibu com 2 e São Gonçalo do Amarante com 1. No interior houve 3 em Mossoró e, com 1 CVLI em cada vem: Assu, Martins e São José do Campestre.
O dia mais violento foi o sábado, com 12 ocorrências (50% do total), seguido pela sexta-feira e pelo domingo com 6 ocorrências em cada (25% do total e cada dia).
Quanto aos horários (períodos) em que ocorreram os CVLIs neste FDS, o horário da noite foi o de maior concentração, com 9 CVLIs (37,50% do total), seguido da madrugada com 7 CVLIs (29,17% do total), depois veio a tarde com 5 CVLIs (20,83% do total) e finalmente a manhã com 3 CVLIs (12,50% do total).
Quanto aos instrumentos letais utilizados para a execução dos CVLIs neste último FDS de julho, o uso de arma de fogo mantém a predominância com 87,5% dos casos (21 do total), seguido da arma branca, do objeto contundente e da asfixia mecânica provocada com uma ocorrência em cada (4,17% em cada).
Feminicídios e Feminicídios
O Observatório da Violência do Rio Grande do Norte (OBVIO), assim como vem divulgando os dados quantitativos sobre a violência homicida no RN em geral, as chamadas Condutas Violentas Letais Intencionais (CVLIs), traz também os dados específicos relativos ao “feminicídio”, ou seja, as mortes violentas e homicídios ocorridos com mulheres (como elemento motivador o fato de serem mulheres e mortes de mulheres em geral).
Até domingo (23/07/2017) foram 79 femicídios no ano de 2017 no RN (aumento de 46,3% em relação a 2016), 54 em 2016 e 63 em 2015 no comparativo com o mesmo período. Quanto aos “feminicídios”, foram 23 em 2017, contra 16 em 2016 e 9 em 2015, também no comparativo do mesmo período.
 
NOTA:
Reiteramos que o OBVIO Utiliza a sigla CVLI referindo-se às Condutas Violentas Letais Intencionais que reúnem todo espectro da ação humana que visa a atingir fisicamente a outro, produzindo morte como resultado final imediato ou posterior em decorrência da natureza do ferimento causado, em virtude de ação e/ou omissão. O conceito adotado pelo Observatório se adapta à legislação sem prejulgar ninguém, muito menos causar prejuízo na aferição dos números da violência letal intencional, sendo incluídos todos os crimes e condutas análogas que tenham sido cometidas sob esse entendimento.
OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA LETAL INTENCIONAL DO RN