domingo , 20 de agosto de 2017
Home / Destaques / O primeiro automóvel de Mossoró, o carro dos Fernandes
Automóvel

O primeiro automóvel de Mossoró, o carro dos Fernandes

 

E, de repente, chega o automóvel e transforma a cidade. O monstro irrompeu bufando, “soltando fumaça pelas ventas feito a besta-fera”. Era a modernidade que chegava ao interior do Estado. E veio para ficar!

Antes, existia apenas os velhos carros de boi e a Diligência de Seu Pompílio, que era um carro grande, pesado, de quatro rodas, puxado por dois burros.

Essa diligência era empregada no transporte de passageiros entre o Porto de Santo Antônio e a Cidade de Mossoró, e vice-versa. A viatura tinha vários lugares e pegava diversos passageiros. O preço de uma lotação completa era de dez mil réis; passagens avulsas custavam um mil réis.

E tudo ia bem até que em 11 de maio de 1911 apareceu o primeiro automóvel em Mossoró, adquirido pela firma Tertuliano Fernandes & Cia. Era um veículo de marca “Westinghause”, de fabricação alemã, com capota desmontável, buzina externa e caixa de ferramentas no estribo esquerdo, além de manivela e rodas com aros de madeira. No motor, 40 cavalos; tinha acomodação para 8 passageiros.

O jornal “O Mossoroense” noticiava, na época: “ O carro dos Fernandes fez lindas evoluções pelas ruas da cidade”.

Lauro da Escóssia registrou no seu livro “Cronologias Mossoroenses – quando, como e onde aconteceram os fatos… – Coleção Mossoroense – Vol. CLXXXII – que “o povo acolheu a chegada do esquisito invento portando-se de joelhos nas calçadas da praça da Redenção e rua Almeida Castro, por onde passou o veículo, mesmo empurrado, pois vinha com uma peça quebrada”.

Nesse mesmo período, a municipalidade iniciou a construção de estradas para automóveis, concedendo ajuda financeira à firma Tertuliano Fernandes & Cia., que pretendia usar o automóvel adquirido para transporte de passageiros em linhas a serem organizadas entre Mossoró e as de Areia Branca, Apodi e Pau dos Ferros.

Junto com o automóvel, veio o motorista do Rio de Janeiro. Era o Sr. Cesário Martins, que durante o período de sua permanência em Mossoró ministrou ensinamentos a várias pessoas.  Quem primeiro aprendeu a dirigir a máquina foi Chico Panema.

Mas não era um bom motorista. Numa viagem que fez para o Apodi, esqueceu-se de colocar água na caldeira e o motor do carro estourou. Ficou atolado no areal entre Apodi e Mossoró. Não teve mais conserto e alguns anos depois foi vendido e levado para o Rio de Janeiro como sucata.

Veio depois o automóvel do comerciante Delfino Freire da Silva. Era um “Berlier” azul, de sete lugares, imenso. Fez uma verdadeira revolução em Mossoró. Para dirigi-lo, veio um chofer do sul, chamado Fraga. Gostou da cidade e nunca mais saiu de Mossoró.

Outro automóvel que fascinou os mossoroenses da época foi o Itala azul-cinzento, de sete lugares, de origem italiana, pertencente ao capitão zeta,  Manoel Tavares Cavalcanti.

Novos carros foram aparecendo em Mossoró. Alguns de marca Ford, o chamado “fura-mundo”, o mais popular da época. E a frota não parou mais de crescer.

Outros tempos aqueles. O automóvel não criou apenas uma profissão nova: a de “chauffer”. Criou também um novo estilo de vida. Símbolo de status no passado.

Para conhecer mais sobre a história de Mossoró visite o blog: www.blogdogemaia.com.

[email protected]