domingo , 21 de outubro de 2018
Home / Destaques / Notas da Redação

Notas da Redação

REELEIÇÃO
Em Mossoró, ontem, o governador Robinson Faria assegurou que não existe um plano B para as eleições de 2018. Será candidato à reeleição e que um projeto de candidatura de Julianne Faria, sua esposa e secretária de governo, a cargo eletivo não passa de mera especulação.

APOIO
Para viabilizar o projeto de reeleição, Robinson entende ser fundamental o apoio político de lideranças representativas em Mossoró que, em 2014, representou um dos principais esteios da sua eleição. Na época, foi votado por Francisco José Júnior, que era o prefeito da cidade.

DESGASTE
No caso de algumas lideranças locais passarem a apoiar o governador, o que os analistas políticos questionam é se o desgaste administrativo da atual gestão não será transferido aos novos correligionários que poderiam ter prejuízo político-eleitoral.

CONFIANÇA
Robinson revela ter em mãos resultados de pesquisas com sinais de mudanças no quadro atual e que tem condições de concorrer à reeleição com chances de vitórias. E fala em pagamento do funcionalismo estadual em dia e ações que podem modificar a área da segurança pública.

PREVISÃO
A realidade é que ainda é cedo para avaliar quem terá condições de ser eleito governador em 2018. Tanto o governador Robinson poderá ser reeleito como Carlos Eduardo e Fátima Bezerra poderão ser vitoriosos na disputa. Não se sabe o que acontecerá até outubro do próximo ano.

CENÁRIO
Referindo-se ao Legislativo, a situação não é muito diferente. É possível que alguns dos atuais parlamentares não disputem a reeleição enquanto outros não concorrerão dentro de um quadro tão favorável como aconteceu em eleições passadas. É preciso esperar mais um pouco.

SAÚDE
A saúde é outro setor que preocupa a administração. Os hospitais que realizam cirurgias de alta e média complexidade estão anunciando que paralisarão suas atividades. O pagamento referente ao Governo do Estado e Prefeitura de Natal não é feito desde março.

CURIOSIDADE
Com as recentes mudanças na lei eleitoral, incluindo a aprovação do fim das coligações para 2020, o Congresso registra um marco na legislação eleitoral brasileira que é o número de reformas políticas se igualar à quantidade de eleições realizadas no País em quase três décadas.

TEMER
Depois da audiência com os empresários do sal no Rio do Norte, o presidente Michel Temer poderá receber os prefeitos do Estado para discutir a situação financeira dos municípios. A informação é do senador José Agripino, responsável pela solicitação ao Planalto.

CASTANHA
Em Serra do Mel, o governador Robinson anunciou a construção da estrada ligando esse município à Carnaubais. A rodovia será chamada de “Estrada da Castanha”, conforme lei estadual apresentada pelo deputado George Soares e aprovada na Assembleia Legislativa.

ESPAÇO
A bancada federal está unida na busca de recursos do governo federal em apoio a projetos do Rio Grande do Norte. Na divulgação dessas conquistas, porém, perde-se o sentimento de conjunto e cada parlamentar divulga o feito como uma vitória isolada do seu mandato.

ORÇAMENTO

Tomba Faria

O deputado Tomba Faria será o relator da Lei Orçamentária que estima receita e despesas do Estado para 2018. A escolha é da Comissão de Finanças e Fiscalização da Assembleia e Tomba já trabalha na Lei que informa receita do próximo ano que será em torno de R$ 12 bilhões.

UNIVERSIDADES
Os reitores das universidades federal e estadual do RN retornam satisfeitos do encontro realizado em Brasília com a bancada federal. A expectativa é da apresentação de emenda ao Orçamento no valor de R$ 40 milhões a serem rateados entre as Universidades.

PREVI
O Conselho Previdenciário do Instituto Municipal de Previdência Social, PREVI Mossoró, aprovou o parcelamento, em 200 vezes, da dívida vencida e a vencer da Prefeitura de Mossoró, no valor de R$ 75.818,126,68, deixada pela gestão do prefeito Francisco José.

CISÃO
A denúncia contra o presidente Temer desgastou a bancada do PSDB que se encontra dividida, 23 votos pela rejeição contra 22 favoráveis. No caso do deputado Bonifácio de Andrada ser destituído da função de relator, outros três partidos se ofereceram para dar ao relator da denúncia uma vaga de titular.