quarta-feira , 24 de julho de 2019
Home / Destaques / Mitos e fantasias – Francinaldo Rafael
Mitos e fantasias – Francinaldo Rafael

Mitos e fantasias – Francinaldo Rafael

Vive-se uma época na qual o culto aos mitos e fantasias estão de certa forma deixando em segundo plano as reflexões acerca das conquistas do Espírito imortal.

Renascem culturas bárbaras adotadas como exibicionistas pela juventude moderna, a geração de novos deuses, o exagerado culto ao corpo, grupos sociais que se entendem superiores  aos outros, avanço no consumo de drogas lícitas e ilícitas e esportes mais violentos que remetem ao recuado tempo dos gladiadores.

Vê-se também ressurgirem músicas ruidosas, rebuscando os movimentos tribais do corpo. Muitas delas associadas ao petisco da sensualidade exacerbada favorecendo ao sexo desenfreado e sem compromisso consigo nem com o outro.

Analisando essa problemática sob o olhar da psicologia analítica de Carl Gustav  Jung, o Espírito Joanna de Ângelis comenta que o ser humano marcha em sua jornada trazendo a herança arquetípica dos períodos iniciais da evolução. Prossegue sob a influência dos mitos que se modificam apenas aparentemente, mas permanecem impondo-se como forma de desenvolvimento cultural ou fugas da realidade mediante os modismos que surgem.

Lembra  a Benfeitora que a predominância nos mitos da violência que dão sustentação aos instintos primários dos quais o homem já deveria estar livre, arrastam multidões delirantes a comportamentos cujos desfechos giram em torno da desintegração da identidade humana.

Ressalta Joanna que muitos entusiastas incorporam “o mito do poder, da glória, da força e, desenvolvendo músculos e condutas, passam a acreditar-se como predestinados à imortalidade física, ao fascínio do arrastamento das multidões que os idolatram, tornando as próprias existências insuportáveis, que somente podem continuar levando, quando mergulhados nas drogas que os abatem os consomem nas infelizes overdoses”.

Entretanto, como o ser humano caminha rumo ao progresso inesgotável, inevitavelmente chegará o dia no qual a busca de si o despertará para outras condutas. Programas de ascensão darão lugar a novos padrões de comportamentos.